Quando o crescimento não chega

Este blogue tem andado parado, em parte por excesso de trabalho e em parte porque alguns segmentos do que fazia aqui foram deslocalizados para outras paragens (análise no Radar Económico e clipping de investigação na minha página do Scoop.it). Mas há coisas que merecem estar em mais do que uma plataforma. Como o discurso do Ben Bernanke no último Fórum de banqueiros centrais em Sintra: When growth is not enough

Regarding the United States, let me start with the positive. The nation’s cyclical recovery is entering its ninth year this month and appears to have room to run. Although the Great Recession was exceptionally deep and the recovery was slower than we would have liked, real GDP is now up about 12.5 percent from its pre-crisis peak, and real disposable income is up more than 13 percent (…)

And yet, despite the sustained cyclical upswing and the country’s fundamental strengths, Americans seem exceptionally dissatisfied with the economy, and indeed have been for some time. For example, those who tell pollsters that the country is “on the wrong track” consistently outnumber those who believe that America is moving “in the right direction” by about two to one. And, of course, last November Americans elected president a candidate with a dystopian view of the economy, who claimed that the “true” U.S. unemployment rate was 42 percent (…)

So why, despite the undoubted positives, are Americans so dissatisfied? The reasons are complex and not entirely economic. Without trying to be comprehensive, I’ll highlight here four worrying trends that help to explain the sour mood.

First, stagnant earnings for the median worker. Since 1979, real output per capita in the United States has expanded by a cumulative 80 percent, and yet during that time, median weekly earnings of full-time workers have grown by only about 7 percent in real terms. Moreover, what gains have occurred are attributable to higher wages and working hours for women. For male workers, real median weekly earnings have actually declined since 1979. In short, despite economic growth, the middle class is struggling to maintain its standard of living.

Second, declining economic and social mobility. One of the pillars of America’s selfimage is the idea of the American Dream, that anyone can rise to the top based on determination and hard work. However, upward economic mobility in the United States appears to have declined notably over the postwar period. For example, in a paper aptly entitled “The Fading American Dream,” Raj Chetty and coauthors studied one metric of upward mobility, the probability that a child would grow up to earn more than his or her parents. Using Census data, they found that 90 percent of Americans born in the 1940s would go on to earn more as adults than their parents did, but that only about 50 percent of those born in the 1980s would do so. Other research finds that the United States now has one of the lowest rates of intergenerational mobility among advanced economies, measured for example by the correlation between the earnings of parents and their children. For a supposedly classless society, the U.S. is doing a good job of rigidifying its class structure through means that include residential and educational segregation, social networking, and assortative mating.

The third adverse trend is the increasing social dysfunction associated with economically distressed areas and demographic groups. For example, other former Princeton colleagues of mine, Anne Case and Angus Deaton, have done important work on morbidity and mortality among white working-class Americans (more precisely, people with only a high school degree). They find that midlife mortality rates among white working-class Americans have sharply worsened, relative to other U.S. demographic groups and working-class Europeans. Case and Deaton refer to the excess mortality among the white working class as “deaths of despair,” because of the associated declines in indicators of economic and social well-being and the important role played by factors like opioid addiction, alcoholism, and suicide.  Indeed, in 2015, more Americans died of drug overdoses — about 60 percent of which involved opioids — than died from auto accidents and firearms-related accidents and crimes combined (…)

The fourth and final factor I’ll highlight, closely tied to the others, is political alienation and distrust of institutions, both public and private. In particular, Americans generally have little confidence in the ability of government, especially the federal government, to fairly represent their interests, let alone solve their problems. In a recent poll, only 20 percent of Americans said they trusted the government in Washington to do what is right “just about always” or “most of the time” (…).

I’m hardly the first to observe that Trump’s election sends an important message, which I’ve summarized this evening as: sometimes, growth is not enough. Healthy aggregate figures can disguise unhealthy underlying trends. Indeed, the dynamism of growing economies can involve the destruction of human and social capital as well as the creation of new markets, products, and processes. Unaided, well-functioning markets can of course play a crucial role in facilitating economic adjustment and redeploying resources, but in a world of imperfect capital markets and public goods problems there is no guarantee that investment in skills acquisition, immigration, or regional redevelopment will be optimal or equitable. Tax and transfer policies can help support those who are displaced, but the limits on such policies include not only traditional concerns like the disincentive effects of income-based transfers but also conflicts with social norms. Notably, people can accept temporary help but transfers that look like “handouts” are often viewed with extreme suspicion or resentment. Some active interventions thus seem a necessary part of a responsive policy mix.

Providing effective help to people and communities that have been displaced by economic change is essential, but, on the other hand, we should not understate how difficult it will be. Addressing problems like the declining prime-age participation rate or the opioid epidemic will require the careful and persistent application of evidence-based policies which populist politicians, with their impatience and distrust of experts, may have little ability to carry through. Moreover, to be both effective and politically legitimate, such policies need to involve considerable local input and cooperation across different levels of government as well as cooperation of the public and private sectors. The credibility of economists has been damaged by our insufficient attention, over the years, to the problems of economic adjustment and by our proclivity toward top-down, rather than bottom-up, policies. Nevertheless, as a profession we have expertise that can help make the policy response more effective, and I think we have a responsibility to contribute wherever we can.

Há ainda outra parte muito interessante, acerca de um tema a que tenho dado destaque neste blogue: a sensibilidade dos efeitos finais de reformas estruturais às circunstâncias macroeconómicas em que aquelas são implementadas. Esta questão devia ser mais do que apenas uma nota de rodapé no debate político europeu, onde há um combate silencioso em torno dos efeitos destas reformas e do melhor timing para as implementar. Que seja um americano a ter a coragem de discutir isto abertamente não deixa de ser uma curiosa ironia:

A small literature has argued that structural reforms can be counterproductive when interest rates are at the zero lower bound, because of disinflationary effects. I tend to agree that those ZLB effects are probably quantitatively modest. However, whether rates are at zero or not, it seems quite likely that policies that have the effect of releasing redundant labor resources could have adverse short-run effects if insufficient aggregate demand exists to re-employ those resources in a reasonable time. It’s consequently important for the content and sequencing of reforms to take into account the macroeconomic situation, as has been pointed out by the International Monetary Fund and others. Likewise, reforms can complement, but should not be viewed as a substitute for, appropriate macroeconomic policies. In particular, labor market reforms should not by themselves be expected to solve national competitiveness problems, at least not in the short term. Also needed are appropriate macroeconomic policies, especially fiscal policies, to help ensure adequate demand and remedy the underlying source of trade imbalances.

Advertisement

Reformas estruturais: quando os tiros saem pela culatra

O Departamento de Investigação do FMI tem feito um trabalho extraordinário nos últimos anos. Ainda há pouco tempo, muita gente acreditava, com base num estudo de Alesina e Ardagna, que a consolidação orçamental podia ser expansionista. O FMI meteu as mãos na massa e mostrou que não só a base de dados usada pelos autores tinha problemas graves como a própria análise empírica deixava de fora imensas variáveis relevantes. Pelo meio, abriu as portas a uma avalanche de investigação no domínio da política orçamental.

Agora, o Fundo virou a agulha e está a destilar outra questão, pelo menos tão importante quanto aquela: as reformas estruturais. O trabalho mais recente vem no World Economic Outlook: The macroeconomic effects of labor and product market reforms. Anotem o nome, porque vão ouvir falar muito disto (e, se não ouvirem, é porque alguém não fez o que devia).

Sim, é mais um paper empírico acerca do impacto destas reformas. Mas não é qualquer um. Em primeiro lugar, tem uma inovação: usa uma base de dados narrativa, em que as reformas são identificadas não apenas pelo facto de um país subir ou descer nos rankings internacionais, mas também pelo facto de serem ou não elogiadas pela OCDE nos seus Economic Outlook bianuais. E não, isto não são peanuts: qualquer pessoa que já se tenha dado ao trabalho de perceber como estes índices são criados sabe que eles são tudo menos boas métricas do ímpeto reformista (ver aqui, por exemplo).

Continuar a ler

Reformas estruturais na economia portuguesa

Imagine o leitor que quer saber o que é  que as reformas estruturais fizeram pela economia portuguesa nos últimos anos. Como é que pode descobrir?

Uma possibilidade é elencar todas as medidas tomadas desde 2010 e ver o impacto que alterações semelhantes tiveram noutros países sempre que foram implementadas de maneira parecida. A parte boa desta abordagem é que o trabalho de compilação já foi feito pelo FMI, pela Comissão Europeia e pela OCDE. A parte má é que se seguir por esta via acabará por encontrar conclusões tão fragmentadas, dispersas e contraditórias que terá inevitavelmente de aplicar uma grande dose de julgamento pessoal para escolher os resultados mais relevantes e fazer paralelos a partir daí. No final, é provável que as conclusões acabem por reflectir muito mais o cherry-picking do leitor do que um processo aturado e sistemático de revisão bibliográfica.

Continuar a ler

Notas soltas do FMI

O FMI já publicou o relatório do Article IV Consultation acerca de Portugal. Apesar de o documento em si não ser muito excitante, ele vem acompanhado de um relatório mais técnico (o Selected Issues) com material que vale a pena destacar. Quanto mais não seja porque aborda, de forma rigorosa, temas que certamente não serão estranhos aos leitores deste blogue.

Primeiro: reformas estruturais. O Memorando de Entendimento assinado em 2011 comprometeu Portugal com uma série de reformas estruturais no âmbito da administração pública, mercado laboral, justiça, saúde, etc. Ao todo foram quase 150 leis e mais de 250 “outras acções” neste âmbito. Mas, apesar de haver evidência empírica a confirmar o impacto positivo das reformas estruturais na economia, também é justo dizer que esses efeitos são normalmente modestos, demoram tempo a fazer-se sentir e dependem crucialmente da forma como as alterações são implementadas – o diabo, nestas coisas, está sempre nos detalhes. Às vezes, nem sequer conseguimos determinar bem quem está a fazer mais reformas (mas vejam também isto).

Continuar a ler

O extraordinário mundo dos organismos europeus

Em Setembro de 2014, Mario Draghi anunciou a intenção do BCE de alargar o arsenal de medidas de política monetária para ‘reflacionar’ a Zona Euro. O discurso tinha, porém, algumas partes mais sinistras, entre as quais a ideia de que o activismo do banco central seria ineficaz caso não fosse devidamente apoiado por reformas estruturais.

A verdade é que as reformas estruturais estão habitualmente associadas a uma inflação mais baixa, e não mais alta – pelo que o conselho, se levado à letra, poderia acabar por reforçar, em vez de combater, as pressões deflacionistas em curso. Na altura, muita gente notou que o rei ia nu (embora provavelmente houvesse boas razões para isso).

Entretanto, a Comissão Europeia tratou de estudar o assunto de forma mais rigorosa. Em Structural Reforms at the Zero Lower Bound, os economistas da Comissão analisam o impacto das reformas estruturais num cenário de taxa de juro zero e concluem que:

The policy implication of the analysis is that recent warnings of adverse effects from structural reforms at the current juncture appear to overemphasise potential short-term costs. While it is certainly true that an accommodative monetary policy stance would facilitate the adjustment in “normal times”, reforms at the ZLB do not appear to imply significant short-term costs in terms of aggregate economic activity. Furthermore, the results also suggest that, even in the case of fully credible pre-commitment, postponing reforms is no better alternative.

A conclusão resulta, aparentemente, da simulação do impacto macroeconómico que teria a redução de um ponto percentual do ‘mark up’ do sector não transaccionável (na prática, um ‘aumento de concorrência’ com efeito nos preços).

Sem Título

A tabela expressa resultados em ‘desvios’ face ao cenário base. Por exemplo, uma reforma estrutural semelhante à que é modelizada faria com que o PIB dentro de 10 anos fosse 0,57 pontos percentuais superior ao que seria no ‘cenário sem reformas’. (E pode não ser completamente óbvio à primeira vista, mas um ‘menos’ antes do número reportado significa mesmo um valor negativo.)

Há algo de perturbador em tudo isto. O discurso oficial do BCE é que a política monetária só funciona com reformas estruturais, uma bizarria macroeconómica que não me recordo de alguma vez ter visto noutro lado. Os estudos conhecidos não só não suportam essa ideia como até indicam que, no curto prazo, o impacto económico destas reformas, a existir, será tendencialmente negativo no PIB (ver a primeira coluna); e que, a longo prazo, acabariam por acentuar a descida dos preços – precisamente o problema que se está a tentar evitar (ver última linha, do ‘GDP deflator’).

Este não é propriamente o tipo de estudo que os partidários das reformas estruturais deveriam ter interesse em difundir. Mas, por alguma razão difícil de compreender, parece que uma contracção do PIB no primeiro ano e uma inflação permanentemente mais baixa daí em diante são razões suficientes para concordar com o BCE na tese da ‘indispensabilidade das reformas’. Dá vontade de citar Paul Krugman: “To see this as a triumph of structural reform requires preconceptions so strong it’s hard to see why you would even bother looking at data”.

Mario Draghi e as reformas estruturais

Numa nota enviada ao Parlamento Europeu, Karl Whelan fala sobre o BCE, reformas estruturais, política monetária e alguns dos aspectos mais sinistros do discurso de Mario Draghi – Inflation differentials and euro-area monetary policy.

As the ECB takes a more active role in battling the ongoing slump, Mario Draghi has intensified his rhetoric about structural reforms. The transcript of his September press conferences shows fifteen uses of this phrase.  Draghi now says he has “concluded that there is no fiscal or monetary stimulus that will produce any effect without ambitious and important, strong, structural reforms.”

It is hard to find a logic (at least one based on macroeconomic theory as we know it) for this argument.  It is certainly the case that potential output growth in the euro area is currently low and can be improved by various policy reforms.  However, it is also true that there is currently a very large shortfall between aggregate demand and the current supply potential of the euro area economy, a shortfall summarised in an unemployment rate of over 11 percent.  So there is room for fiscal and monetary stimulus to boost the economy, even without structural reforms.  In addition, to the extent that we are worried about deflation, the initial impact of structural reforms that boosted the supply capacity of the euro area would be to further depress inflation.

My point here is not to argue against structural reforms. There are many such reforms that can have an important positive effect over the medium- and longer-run (though we know little about the magnitude of their potential impact). But it is important for the ECB to take responsibility for its crucial role in the shorter-term macroeconomic management of the euro area and ECB officials continually placing structural reforms at the heart of discussions of this issue is unhelpful.

Reformas estruturais na periferia

A Comissão Europeia publicou recentemente um estudo sobre o impacto efectivo das reformas estuturais nas economias da periferia europeia – Market reforms at work: in Italy, Spain, Portugal and Italy.

Um problema habitual neste tipo de estudos é que pura e simplesmente não é fácil tomar pulso ao volume de reformas estruturais implementadas (quanto mais associá-las a outputs concretos). O paper da Comissão merece destaque porque tenta contornar este problema através de uma análise cuidadosamente detalhada – para cada área de reforma são encontrados indicadores microeconómicos, que se associam posteriormente a uma série de ‘canais de transmissão’ e resultados efectivos (taxas de mortalidade de empresas, por exemplo). Não é o ideal, mas é provavelmente o melhor que se consegue fazer neste domínio.

A ideia global é que Espanha tem conseguido retirar alguns benefícios das reformas estruturais. Portugal também não aparece mal no quadro geral, mas a evidência, neste caso, não é tão forte. Itália parece estar numa situação semelhante. Quanto à Grécia… a Grécia é um caso mais complicado (mas não por falta de esforço).

xy

Reforms undertaken have a potential significant impact. The full effect of the reforms may not yet be visible but an assessment of their potential effect, for a selected number of reforms, suggests that the gains are expected to be significant (…) Most countries have implemented reforms whose expected outcome is a favourable one – e.g. fostering business dynamics and allocative efficiency, attracting FDI, reducing excessive profits and increasing productivity. Nonetheless, while most reform areas are common across countries, some discrepancies emerge in terms of reform effort and consequent predicted effect on relevant economic outcomes. In some cases, observed trends in policy/monitoring variables even go in another direction than the desirable one. In other cases, the unavailability of data does not allow to estimate the impact of reforms – even if they have been implemented.

Não se medem reformas estruturais

A Comissão Europeia lançou uma pequena publicação acerca do papel das reformas estruturais no estímulo ao crescimento – The role of structural reform for adjustment and growth. O boletim não traz muita coisa nova, mas fiquei intrigado com o heat map da terceira página, que apresenta a evolução dos esforços de reforma da periferia europeia.

LABREF2

A Grécia é, de longe, o caso mais curioso – segundo o quadro, a sua performance piorou em 11 dos 20 indicadores apresentado. O que é extraordinário para uma economia que está sob um programa de ajuda externa desde 2010 e que levou a cabo um extenso rol de reformas no sector público e nos mercados de produto e de trabalho.

Na verdade, é tão extraordinário que vale a pena duvidar um pouco destes números. Os relatórios trimestrais do FMI mostram que as reformas não foram apenas anúncios de boas intenções – melhor ou pior, foram mesmo para o terreno. E essas reformas aparecem em bases de dados mais microeconómicas, como o MICREF e o LABREF, da Comissão Europeia. Claro que entre a legislação de medidas e a sua implementação vai uma grande distância, mas é pouco credível que tenha tudo corrido tão mal que a Grécia tenha acabado  com leis piores do que aquelas que tinha antes da chegada da Troika.

A minha suspeita é que uma boa parte destes indicadores é de interesse bastante limitado para analisar a evolução das reformas estruturais. Por exemplo, o ponto bussiness regulation deveria ser um indicador da facilidade com que um empreender pode abrir um negócio sem ser estorvado por regulação inútil. Na prática, e como é difícil distinguir o que são requisitos razoáveis de entraves dispensáveis, o indicador é apurado através de uma mistura de indicadores objectivos (número médio de dias de espera para constituição de uma empresa, por exemplo) com resultados de  inquéritos a empresários do país em questão (ver o apêndice do estudo do Fraser Institute, de onde os números são retirados).

Isto acaba por conduzir a alguns resultados aberrantes. No mesmo ranking do business regulation, os EUA aparecem em 34º lugar, apenas uma posição à frente da Tunísia. Bem à frente, e imediatamente atrás da Suécia e Suíça aparece o Ruanda (14º lugar). A Itália aparece em 105º, pouco à frente do Irão ou do Quénia (110 e 110º, respectivamente). E a lista continuaria se olhassemos para outros indicadores apurados da mesma forma.

Noutros casos, os indicadores apoiam-se em números observáveis, mas capturam muito mais os resultados do processo produtivo do que as estruturas institucionais que lhe estão subjacentes. Por exemplo, o indicador de business late payments é fácil de comparar entre países (basta medir os prazos médios de pagamento), mas os valores reportados são influenciados pela posição cíclica da economia. A deterioração da posição grega de 2008 para 2013 reflecte, provavelmente, a degradaçãoda situação económica, e não qualquer alteração legislativa sob a alçada do Governo.

Com este post não estou a defender que as reformas estruturais são um mito sem fundamentação. Há bastante evidência a sustentar que reformas deste género podem aumentar a produtividade. A questão aqui é chamar a atenção para a dificuldade em medir a intensidade das reformas através de indicadores deste género e – de avançar para prescrições de política sem fazer antes uma intensa análise microeconómica caso-a-caso.

Para onde foi a produtividade?

A fiabilidade do PIB enquanto medida do vigor económico de uma nação é um tema controverso. A lista de críticas é extensa e recentemente tem havido uma série de tentativas para produzir indicadores que o complementem (por exemplo, as estatísticas de Bem-estar da OCDE – ver também a discussão no Relatório Stiglitz). Mas este post é sobre uma questão bem mais específica:

«You can see the computers everywhere but in the productivity statistics» (Robert Solow, 1987)

O paradoxo de Solow resulta da constatação de que a revolução da tecnologia informática (IT) praticamente não influenciou a produtividade. Mas será mesmo assim?

A imagem de baixo mostra o volume de Investimento (isto é, a taxa de crescimento real da Formação Bruta de Capital Fixo) em França, de 1980 a 2000. As duas linhas representam o volume calculado de acordo com dois métodos distintos. Note-se como a produção efectiva (e, portanto, a produtividade implícita) é praticamente duas vezes maior no caso da metodologia utilizada na linha azul escura.

aa

A diferença entre ambas é muito simples. A linha azul escura é obtida da seguinte forma: calcula-se a taxa de crescimento real de cada bem de investimento e pondera-se essa taxa de crescimento pelo peso relativo que cada bem tinha no ano base (que, neste caso, é 1980). No caso da linha clara, o peso de cada bem é o preço relativo que vigorava no ano anterior.

A discrepância entre os dois métodos aumenta à medida que os preços relativos dos vários bens diverge. Neste caso concreto, a diferença deve-se largamente aos computadores. O volume de computadores tem crescido a um ritmo impressionante desde 1980 (a Lei de Moore continua a aplicar-se), mas o facto de o seu preço relativo ter vindo a cair também faz com que este crescimento tenha um peso menor do que teria caso vigorasse a estrutura de preços de 1980. Como o peso relativo dos computadores cai à medida que o tempo passa, o método dos ‘preços do ano anterior’ dá origem a uma taxa de crescimento global significativamente inferior.

Faz sentido que o crescimento do PIB seja calculado tendo em conta os preços do período anterior, porque são esses que determinam a importância relativa real que cada item tem de facto para o bem estar. Por outro lado, o sistema de actualização de preços (encadeamento) também introduz um viés nos cálculos de produtividade. Se um determinado sector regista um crescimento explosivo em termos reais, mas esse crescimento vem acompanhado – como faz sentido que venha – de uma descida do seu preço relativo, então o contributo desse mesmo sector para a produtividade total será concomitantemente reduzido.

E este efeito pode ser substancial mesmo em termos agregados. Segundo o NBER, a taxa de crescimento média do PIB americano entre 2001 e 2003 (2,3%) poderia ter sido de 4,3% caso se usasse a estrutura de preços de 1996 para ponderar os vários sectores. Os computadores representavam a maior parte desta discrepância, precisamente devido ao efeito de variação de preços relativos. Por isso, talvez a resposta para o paradoxo de Solow seja simples: a produtividade do sector das IT foi uma vítima estatística do seu próprio sucesso.

Note-se que o problema não é do sistema de encadeamento em si: ponderar o crescimento de cada sector pelo seu peso efectivo faz muito mais sentido do que ponderá-lo pelo peso que assumia num qualquer período remoto. A questão aqui é de verdadeira incomensurabilidade de valores: como é que se comparam quantidades de bens e serviços cuja importância relativa para os consumidores variam ao longo do tempo? A diferença de riqueza entre um consumidor de 1980 e um consumidor de 2000 depende crucialmente do ponto temporal em que se faz a comparação.

P.S.- Sobre um problema similar, ler a inspirada coluna de Paul Krugman Viagra and the wealth of nations.

 

A década perdida em perspectiva

A sexta avaliação do PAEF não trouxe grandes novidades. Mas, no âmbito do protocolo do Artigo IV, o FMI deu um bónus aos interessados na economia portuguesa e publicou uma série de estudos de fundo acerca da situação económica nacional. Dois dos Selected Issues Papers lançam alguma luz acerca do desempenho económico frustrante de Portugal ao longo da última década, fornecendo óptimos contributos para juntar as peças de uma história cujos detalhes continuam, ainda hoje, longe de ser completamente compreendidos.

No primeiro estudo, o FMI ajuda a pôr em perspectiva o período de divergência económica face à média europeia que começou em 2000. Segundo os cálculos do Fundo, que assentam na análise de Funções de Produção, esta travagem súbita representa, pelo menos em parte, o fim de um processo de convergência que assentou na acumulação de capital. Quando a diferença face aos países mais desenvolvidos encurtou, o mecanismo ficou praticamente esgotado.

However, convergence over 1974–91 was mainly the result of the Portuguese economy rapidly becoming more capital intensive. Allocative efficiency—measured as relative TFP—remained virtually at the same level over the period, with the exception of a few sub-periods of ups and downs reflecting economic difficulties. Convergence in income levels was mainly driven by the accumulation of physical capital, with the relative stock of capital per employee growing strongly (see charts) as a result of strong growth of public and private sector investment growth. An increase in relative human capital also contributed to the convergence process.

Quando o processo se esgotou (1991), o crescimento da produtividade estagnou, e foi o maior volume de força laboral a estimular o crescimento do PIB. Por esta altura, a TFP (total factor produtivity – a parte do crescimento que não é explicada nem pela acumulação de capital, nem pelo aumento de mão-de-obra) estava já a divergir claramente do que acontecia no resto da Europa desenvolvida.

xxxxx

A partir daqui, vieram ao de cima duas debilidades estruturais da economia portuguesa, que a participação na união monetária não serviu para ultrapassar: falta de capital humano e más políticas públicas. A escassez de qualificações impediu Portugal de dar um salto na escala de valor, criando uma ‘armadilha’ de produtividade média. E a má qualidade das políticas públicas gerou incentivos perversos dentro da própria estrutura produtiva, levando a maior parte do investimento a concentrar-se no sector não transaccionável.

2

In contrast to Portugal, many other euro area countries managed to reap the full be3nefits of monetary integration and the technological advances. Ireland, for example, experienced a remarkable performance over the past two decades (Amador et al., 2007). Modern economic institutions and a highly educated and flexible workforce allowed the country to orient inflows toward the most promising activities and benefit from an acceleration of TFP.

Uma das implicações do estudo do FMI, por outro lado, é que há um grande potencial de crescimento por realizar, através de convergência de TFP e de aumento – que será necessariamente mais lento – do capital humano da economia portuguesa. Um cenário moderadamente optimista permite colocar a produtividade a crescer perto dos 3% ao ano, calcula o Fundo.

O segundo paper, acerca do desequilíbrio externo da última década, refere um ponto que está muitas vezes ausente da maior parte das análises – o fim das transferências dos emigrantes, que durante algumas décadas permitiu cobrir uma boa parte das necessidades de financiamento externas. De facto, e como o próprio Fundo nota, o saldo da Balança Comercial praticamente não se alterou com a adesão ao euro. O resto foi veio do boom de consumo e investimento que o fim do risco cambial proporcionaou.

O FMI avança também uma explicação para a aparente contradição entre um disparar do consumo e um desemprego crescente (que, de resto, é uma conjugação única na Europa: na restante periferia, como Irlanda e Espanha, os boom foram seguidos de reduções pronunciadas na taxa de desemprego). Segundo o Fundo, é aqui que entra a disfuncionalidade do sistema de protecção social português, cuja excessiva generosidade favoreceu a saída de um mercado de trabalho em reestruturação. A crise actual apanhou Portugal a meio de um doloroso choque de oferta, ao qual se sobrepôs um choque negativo de procura.