Quando o crescimento não chega

Este blogue tem andado parado, em parte por excesso de trabalho e em parte porque alguns segmentos do que fazia aqui foram deslocalizados para outras paragens (análise no Radar Económico e clipping de investigação na minha página do Scoop.it). Mas há coisas que merecem estar em mais do que uma plataforma. Como o discurso do Ben Bernanke no último Fórum de banqueiros centrais em Sintra: When growth is not enough

Regarding the United States, let me start with the positive. The nation’s cyclical recovery is entering its ninth year this month and appears to have room to run. Although the Great Recession was exceptionally deep and the recovery was slower than we would have liked, real GDP is now up about 12.5 percent from its pre-crisis peak, and real disposable income is up more than 13 percent (…)

And yet, despite the sustained cyclical upswing and the country’s fundamental strengths, Americans seem exceptionally dissatisfied with the economy, and indeed have been for some time. For example, those who tell pollsters that the country is “on the wrong track” consistently outnumber those who believe that America is moving “in the right direction” by about two to one. And, of course, last November Americans elected president a candidate with a dystopian view of the economy, who claimed that the “true” U.S. unemployment rate was 42 percent (…)

So why, despite the undoubted positives, are Americans so dissatisfied? The reasons are complex and not entirely economic. Without trying to be comprehensive, I’ll highlight here four worrying trends that help to explain the sour mood.

First, stagnant earnings for the median worker. Since 1979, real output per capita in the United States has expanded by a cumulative 80 percent, and yet during that time, median weekly earnings of full-time workers have grown by only about 7 percent in real terms. Moreover, what gains have occurred are attributable to higher wages and working hours for women. For male workers, real median weekly earnings have actually declined since 1979. In short, despite economic growth, the middle class is struggling to maintain its standard of living.

Second, declining economic and social mobility. One of the pillars of America’s selfimage is the idea of the American Dream, that anyone can rise to the top based on determination and hard work. However, upward economic mobility in the United States appears to have declined notably over the postwar period. For example, in a paper aptly entitled “The Fading American Dream,” Raj Chetty and coauthors studied one metric of upward mobility, the probability that a child would grow up to earn more than his or her parents. Using Census data, they found that 90 percent of Americans born in the 1940s would go on to earn more as adults than their parents did, but that only about 50 percent of those born in the 1980s would do so. Other research finds that the United States now has one of the lowest rates of intergenerational mobility among advanced economies, measured for example by the correlation between the earnings of parents and their children. For a supposedly classless society, the U.S. is doing a good job of rigidifying its class structure through means that include residential and educational segregation, social networking, and assortative mating.

The third adverse trend is the increasing social dysfunction associated with economically distressed areas and demographic groups. For example, other former Princeton colleagues of mine, Anne Case and Angus Deaton, have done important work on morbidity and mortality among white working-class Americans (more precisely, people with only a high school degree). They find that midlife mortality rates among white working-class Americans have sharply worsened, relative to other U.S. demographic groups and working-class Europeans. Case and Deaton refer to the excess mortality among the white working class as “deaths of despair,” because of the associated declines in indicators of economic and social well-being and the important role played by factors like opioid addiction, alcoholism, and suicide.  Indeed, in 2015, more Americans died of drug overdoses — about 60 percent of which involved opioids — than died from auto accidents and firearms-related accidents and crimes combined (…)

The fourth and final factor I’ll highlight, closely tied to the others, is political alienation and distrust of institutions, both public and private. In particular, Americans generally have little confidence in the ability of government, especially the federal government, to fairly represent their interests, let alone solve their problems. In a recent poll, only 20 percent of Americans said they trusted the government in Washington to do what is right “just about always” or “most of the time” (…).

I’m hardly the first to observe that Trump’s election sends an important message, which I’ve summarized this evening as: sometimes, growth is not enough. Healthy aggregate figures can disguise unhealthy underlying trends. Indeed, the dynamism of growing economies can involve the destruction of human and social capital as well as the creation of new markets, products, and processes. Unaided, well-functioning markets can of course play a crucial role in facilitating economic adjustment and redeploying resources, but in a world of imperfect capital markets and public goods problems there is no guarantee that investment in skills acquisition, immigration, or regional redevelopment will be optimal or equitable. Tax and transfer policies can help support those who are displaced, but the limits on such policies include not only traditional concerns like the disincentive effects of income-based transfers but also conflicts with social norms. Notably, people can accept temporary help but transfers that look like “handouts” are often viewed with extreme suspicion or resentment. Some active interventions thus seem a necessary part of a responsive policy mix.

Providing effective help to people and communities that have been displaced by economic change is essential, but, on the other hand, we should not understate how difficult it will be. Addressing problems like the declining prime-age participation rate or the opioid epidemic will require the careful and persistent application of evidence-based policies which populist politicians, with their impatience and distrust of experts, may have little ability to carry through. Moreover, to be both effective and politically legitimate, such policies need to involve considerable local input and cooperation across different levels of government as well as cooperation of the public and private sectors. The credibility of economists has been damaged by our insufficient attention, over the years, to the problems of economic adjustment and by our proclivity toward top-down, rather than bottom-up, policies. Nevertheless, as a profession we have expertise that can help make the policy response more effective, and I think we have a responsibility to contribute wherever we can.

Há ainda outra parte muito interessante, acerca de um tema a que tenho dado destaque neste blogue: a sensibilidade dos efeitos finais de reformas estruturais às circunstâncias macroeconómicas em que aquelas são implementadas. Esta questão devia ser mais do que apenas uma nota de rodapé no debate político europeu, onde há um combate silencioso em torno dos efeitos destas reformas e do melhor timing para as implementar. Que seja um americano a ter a coragem de discutir isto abertamente não deixa de ser uma curiosa ironia:

A small literature has argued that structural reforms can be counterproductive when interest rates are at the zero lower bound, because of disinflationary effects. I tend to agree that those ZLB effects are probably quantitatively modest. However, whether rates are at zero or not, it seems quite likely that policies that have the effect of releasing redundant labor resources could have adverse short-run effects if insufficient aggregate demand exists to re-employ those resources in a reasonable time. It’s consequently important for the content and sequencing of reforms to take into account the macroeconomic situation, as has been pointed out by the International Monetary Fund and others. Likewise, reforms can complement, but should not be viewed as a substitute for, appropriate macroeconomic policies. In particular, labor market reforms should not by themselves be expected to solve national competitiveness problems, at least not in the short term. Also needed are appropriate macroeconomic policies, especially fiscal policies, to help ensure adequate demand and remedy the underlying source of trade imbalances.

As pensões vão baixar (e não há muito que se possa fazer)

Aqui há uns tempos escrevi um post acerca de Segurança Social que teve um impacto razoável. A ideia de fundo era que o conceito de “sustentabilidade da Segurança Social”, de que muitas vezes se fala, não implica necessariamente “boas pensões”, ou sequer pensões razoáveis. Implica apenas que as receitas do sistema chegam para financiar as responsabilidades.

E, por isso, não há qualquer incompatibilidade em dizer que um sistema de Segurança Social é sustentável e que ao mesmo tempo conduz a uma redução contínua da taxa de substituição entre o último salário e a pensão correspondente. Logo, ninguém devia usar a imagem de baixo para anunciar que o sistema vai afundar. Pelo contrário, é o fenómeno retratado na imagem que permite evitar o colapso do sistema.

1

Infelizmente, ninguém ligou pêva aos posts seguintes (1, 2, 3)  E foi uma pena, porque estes posts tinham uma conclusão ainda mais contra-intuitiva: que a diminuição do rácio de substituição das pensões é largamente independente do tipo de sistema em vigor. Não interessa se descontamos para o Fundo da Segurança Social, se metemos o dinheiro debaixo do colchão ou se o investimentos nos mercados financeiros; se a população está a mingar e a idade média a aumentar, então as pensões futuras, venham elas de onde vierem, serão necessariamente mais baixas.

Continuar a ler

Riqueza das famílias portuguesas: de 2010 a 2013

O INE acabou de publicar o Inquérito à Situação Financeira das Famílias, um relatório rico e detalhado acerca da situação patrimonial e financeira dos portugueses.

É o tipo de coisa que pode dar jeito a jornalistas que estejam interessados – por exemplo – em saber quanto é que a ‘classe média’ tem guardado no banco. Ou qual o valor do seu património imobiliário. Ou quantas pessoas têm acções e outras aplicações financeiras, e onde estão essas pessoas na escala de rendimentos. Nesta altura – e talvez durante os próximos dois anos – pode ser um recurso valioso.

Eu dei uma vista de olhos nos principais números, que actualizam para 2013 as informações que tinham sido divulgadas pela última vez em 2010. O que mais me chamou a atenção foi a variação da riqueza financeira líquida (activos menos passivos) ao longo da escala de rendimentos.

Os números são mais ou menos estes. De 2010 para cá, as duas ‘abas’ da distribuição de rendimentos (‘ricos’ e ‘pobres’, para simplificar) não tiveram sortes iguais. quem estava no grupo dos 20% mais pobres perdeu quase metade do seu património (primeira coluna à esquerda); quem estava do outro lado acabou por ganhar. Ligeiramente, mas ganhou.

12

Concluiu-se mais ou mesmo ou mesmo quando dividimos a amostra não por percentis de rendimento, mas por percentis de riqueza. Neste caso, as diferenças entre os extremos são, por razões óbvias, bastante maiores. Mas o ponto do parágrafo anterior mantém-se: quem estava no fundo perdeu, e quem estava lá à frente ganhou (Nota: nem todos estes números estão disponíveis no destaque do INE. Alguns valores tiveram de ser retirados do boletim de 2010)

1

Mas confesso que não sei até que ponto é que estes dados não ser um subproduto da forma como os dados recolhidos. A nota metodológica do INE sugere que estes são dados seccionais – isto é, o INE pega nos resultados de cada ano e ‘divide-os’ por escalões de rendimento (ou riqueza) e calcular estes valores. O que não significa que os mais ricos de 2010 tenham ganho em 2013, e que os mais pobres tenham perdido. É perfeitamente possível que de um inquérito para o outro tenha havido uma recomposição das famílias que compõem o lote de ‘ricos’ e de ‘pobres’. Na prática, portanto, estaríamos apenas a ver medianas de riqueza de grupos diferentes.

Em todo o caso, o boletim é uma óptima fonte de informação para conhecermos melhor a sociedade portuguesa – mesmo que nem sempre permita responder às perguntas que achamos mais interessantes.

Visita guiada ao estudo da pobreza e desigualdade

A Fundação Francisco Manuel dos Santos publicou há pouco mais de uma semana o estudo Desigualdade do Rendimento e Pobreza em Portugal, uma análise minuciosa da evolução das desigualdades e da pobreza ao longo do período de ajustamento. O estudo justificou uma série de notícias nos media nacionais, mas nem todos os títulos foram os mais relevantes nem tudo o que o estudo fez teve o destaque merecido. Mas vamos por partes.

Uma das conclusões mais badaladas foi o nível da pobreza em Portugal. Por exemplo, descobrimos que quase um quinto da população portuguesa é pobre, e que os 10% mais pobres vivem com com 3628€ por ano. Uma forma engraçada de brincar com os números é dar um salto ao micro-site que acompanha o estudo e usar esta ferramenta para perceber em que decil de rendimento está cada pessoa.

Eu calhei no último decil mais rico, mas a verdade é que não é preciso muito para lá chegar – quem ganha 1.400€ por mês e não tem filhos a cargo, por exemplo, já entra neste grupo selecto. Um trabalhador com o Salário Mínimo Nacional (530€ menos os descontos para a TSU) fica no terceiro decil, e se tiver mais 80€ de subsídio de refeição passa automaticamente para o quarto. Classe média, portanto.

Continuar a ler

A inflação é um imposto escondido?

Este post não vem na sequência de nenhum problema premente em particular – aliás, com a inflação nos 0,2%, duvido que haja muita gente a perder o sono com isto. Mas a propósito dos 30 anos da adesão de Portugal à CEE falou-se imenso acerca da inflação em 1986 (20%) e de como hoje em dia estamos muito melhor por causa da inflação “perto, mas abaixo” dos 2% garantida pelo BCE.

O que é provavelmente verdade. Mas não exactamente pelas razões que se costuma invocar.

A forma convencional de ver a inflação é como um imposto não legislado. Se os preços sobem muito, a inflação é alta e perdemos poder de compra. Se os preços não sobem, ou sobem menos, a inflação é baixa e o poder de compra é preservado. Do ponto de vista dos consumidores, o processo parece simples e intutivo. A inflação é obviamente uma coisa má.

Continuar a ler

Boas ideias do PS – Complemento Salarial Anual

Valeu a pena esperar pelo cenário macroeconómico do PS. Entre outras coisas importantes, o documento já pôs toda a gente a discutir questões como o papel do Conselho das Finanças Públicas e da UTAO na avaliação prévia de promessas eleitorais e a importância da divulgação pública dos modelos subjacentes às previsões. São temas recorrentes neste blogue, e é bom saber que, pouco a pouco, esse caminho vai sendo feito.

Mas queria voltar ao tema porque o post de ontem foi demasiado ácido e pode, visto em retrospectiva, ser facilmente mal interpretado. O objectivo não era tanto criticar o programa, que como frisei tem “óptimas ideias que vale a pena discutir”, mas sim desmistificar a ilusão – que por pouco não ganhou lastro nalguns jornais – de que se está na presença de uma “via alternativa”, capaz de ignorar restrições orçamentais e alinhada com a crítica desleixada ao “capitalismo neoliberal” (seja lá o que isso for).

Feito o esclarecimento, queria discutir duas das propostas do documento que me parecem particularmente promissoras. Começo com o Complemento Salarial Anual (página 35), deixando a segunda para um post seguinte.

Continuar a ler

Sobre a estagnação de rendimentos da classe média

Sobre desigualdade, uma entrada que vale a pena ler: A brief history of middle class economics, por Jason Furman. O artigo está cheio de factos estilizados muito interessantes para quem segue o assunto.

Starting in 1973 and running through 1995, two of the three factors that had been driving middle-class incomes derailed. Labour productivity growth slowed dramatically to only 1.4% annually, in part due to the exhaustion of pent-up innovations from WWII, reduced public investment, dislocations associated with the breakup of the Bretton Woods international monetary system, and the oil shocks of the 1970s. Not only did the economy grow more slowly in these years, but these smaller gains were distributed increasingly unequally – the share of national income that went to the top 1% nearly doubled, while the share that went to the bottom 90% fell accordingly. As a result, productivity gains did not boost middle-class incomes, and average income in the bottom 90% declined by 0.4% a year during these years. One important factor that prevented a larger fall in middle-class incomes was greater labour force participation. The share of dual-income households rose as women surged into the labour force even faster than in the Age of Shared Growth.

Some alternative and likely more accurate measures of middle-class income show slight increases during these years. Real median household income as measured by the Census Bureau rose by 0.2% a year from 1973 to 1995. And after including employer-paid health premiums and adjusting for changing family size, the Congressional Budget Office (CBO) estimates that median income climbed 0.4% a year, and 0.7% a year after taxes and transfers. But regardless of how it is measured, middle-class income growth clearly slowed dramatically over this period.