Um PIB aos pulinhos

A convergência para a média é um conceito simples e poderoso. Permite explicar muitos fenómenos interessantes e que à primeira vista não partilham quase nada em comum – desde a melhoria da situação clínica de pacientes que experimentam terapias alternativas, até ao aparente sucesso das chicotadas psicológicas no futebol. O processo é sempre o mesmo: uma ilusão de óptica causada pela aleatoriedade presente em quase todos os fenómenos da existência humana.

E, contudo, a maior parte das pessoas tem imensa dificuldade em aceitar explicações desta natureza. A ideia de que ‘tudo o que sobe tem de descer’, e que portanto resultados extraordinariamente bons tendem a ser seguidos por resultados menos bons (da mesma forma que os ciclos negativos acabam por chegar ao fim), não é intelectualmente satisfatória. Não sacia aquele desejo muito humano de procurar causas identificáveis a gerar efeitos observáveis. Por essa razão, estamos condenados a viver num corrupio incessante de ‘surpresas’ e ‘desilusões’ que se seguem umas após as outras, identificando surtos de optimismo e ciclos de más notícias onde provavelmente não há nada mais do que simples ruído.

A evolução do PIB no segundo trimestre é, suspeito, um bom exemplo disso mesmo. À primeira vista, parece uma enorme travagem. O PIB cresceu 0,2% em cadeia, depois de três trimestres a crescer entre os 0,7 e 1%. Mas será que o PIB está hoje muito acima – ou muito abaixo – do que se esperava que estivesse? Não. O PIB está mais ou menos onde devia estar segundo as previsões feitas pela Comissão Europeia em meados de 2015: com um valor trimestral (a preços constantes) na casa dos 44,3 mil milhões de euros.

Continuar a ler

Anúncios

Nas entranhas do PIB

Nos últimos tempos perdi algumas horas a analisar a recuperação económica de Portugal, que começou em 2013 e acelerou na recta final de 2016. Como não sabia muito bem o que procurar, andei a vaguear aleatoriamente pelos quadros das contas nacionais do INE, à espera de alguma coisa que me chamasse a atenção. Depois de algum tempo, lá encontrei uma.

A1 Continuar a ler

PIB do terceiro trimestre

Já há um valor para o PIB no terceiro trimestre. Segundo o INE, que acabou de publicar a estimativa rápida, a actividade cresceu 0,8% entre Julho e Setembro face ao trimestre anterior.

É bom? É. O PIB tem vindo a crescer entre 0,1 e 0,5% ao longo dos últimos dois anos, e tendo isto como pano de fundo claro que 0,8% é um bom resultado.

Muda muita coisa para o conjunto do ano? Alguma. Há uns dias, o Negócios compilou as previsões de curto prazo dos centros de estudos que se dedicam a acompanhar a conjuntura, e o consenso apontava para uma expansão de 0,3%. A este ritmo, a economia deveria fechar 2016 com um crescimento anual de em torno de 1%. Com estes dados, o novo best guess é algo em torno dos 1,2-1,3%1.

Isto sinaliza uma nova tendência, ou acrescenta apenas ruído? Aqui eu seria bastante prudente. Desde 2013 já houve pelo menos dois trimestres de crescimento rápido – e aqui defino ‘crescimento rápido’ como crescimento-acima-de-0,5% – e em ambas as alturas a boa performance (barras verdes) foi seguida de uma forte correcção (barras vermelhas), com o PIB a recuar.

11.png

Veremos o que se passa no quarto trimestre. Para já, parece-me que estes valores deviam ser lidos como os anteriores: bons números que escapam a uma tendência de longo prazo em torno dos 0,3% em cadeia.

1 Como é que se chega ao best guess? É simples: assumindo taxas ‘fictícias’ para o quarto trimestre, somando aos valores do primeiro, segundo e terceiro trimestres e comparando com o valor de 2015. Neste caso, basta que o PIB estagne no quarto trimestre para o crescimento anual atingir 1,2%; e seria preciso repetir o valor de 0,8% nos últimos três meses para que o valor anual ficasse além dos 1,3%. Assumindo que no quarto trimestre nem há um descalabro nem uma performance extraordinária, 1,2-1,3% é o range mais plausível).