Algo estranho a passar-se nos EUA

Lembram-se desta imagem, que referi em EUA, terra de oligopólios? É de um estudo de Phillippon, Dottling e Gutierrez, que tenta tomar o pulso à evolução da concorrência na economia americana. O panorama não é dos melhores.

2

O Índice de Herfindahls e a quota de mercado das maiores companhias, claro, não são métricas directas do grau de concorrência. São apenas medidas da relevância das grandes empresas – algo que se presume influenciar o poder de mercado de cada player e, portanto, condicionar a concorrência. Mas medir directamente a concorrência é coisa que não é fácil fazer.

Bom, sucede que  entretanto surgiu um estudo muito interessante que espreita para dentro da estrutura de custos das empresas americanas para, na medida do possível, comparar custos marginais com preços de venda. A ideia é depurar uma métrica aceitável da concorrência entre empresas nos EUA, tão fiel quanto possível à definição utilizada em microeconomia 1.01: mark-ups tão pequenos quanto possíveis.

As contas só abrangem empresas cotadas em bolsa, mas ainda assim é impressionante. Os mark-ups estão a subir sem parar. E estão a fazê-lo desde os anos 80, coincidindo com o período áureo do reaganomics. E esta, hein?

123

Há muitas explicações para isto: avanços tecnológicos que favorecem a emergência de mercados do tipo winner-takes–it-all, um enforcement mais laxista de regulação anti-trust, a emergência do crony-capitalism e até a possibilidade (defendida, por exemplo, por Dean Baker) de a desregulação servir os interesses de monopolistas e rentistas, em vez de nivelar o terreno de jogo.

Gostava de ter algum tempo para escrever sobre isto, mas é um tema demasiado importante para tratar numa meia hora entre o almoço e o trabalho. Até lá, podem dar uma vista de olhos aqui.

Anúncios

2 comments on “Algo estranho a passar-se nos EUA

  1. Talvez também produtos mais únicos e especializados (ou percepcionados como tal pelos consumidores, que é o que interessa), mesmo no que respeita às pequenas e médias empresas – com cada barbearia, restaurante, cerveja artesanal, etc. a querer ser “única” e “alternativa” (ou seja, uma transformação da concorrência perfeita em concorrência monopolista)?

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s