O fim da austeridade?

Este foi o tema da semana passada. O ministro puxou pelo assunto em entrevista, o Eco dedicou-lhe um fact-checking e o Negócios fez um especial sobre o assunto. Eu também meti a colher, mas o formato rígido de um impresso, sem espaço para gráficos e com caracteres fixos, não se presta a grandes pedagogias. Por isso aqui vai, em formato FAQ, uma explicação um pouco mais completa.

  • Afinal a austeridade acabou ou não?

Um dos problemas destas conversas é que nunca ninguém é muito concreto acerca do que se entende por ‘austeridade’. A ‘austeridade’ pode ser tudo e um par de botas. É como o ‘capital’, um termo que no mundo financeiro designa várias formas de armazenar riqueza (depósitos, moeda, etc.), mas que na contabilidade nacional representa elementos físicos usados na produção de outros bens (maquinaria, estradas, edifícios, patentes, etc.). Para sabermos a quantas andamos, é importante começar por clarificar os termos e acertar definições. Neste texto, usarei o termo ‘austeridade’ com o sentido – implícito – que lhe foi atribuído de 2010 em diante: um conjunto de medidas orçamentais que têm o propósito de reduzir o défice, e que se materializam em reduções de despesa ou aumentos de impostos (nota: estou, portanto, a deixar de fora coisas como reformas estruturais sem impacto orçamental, ou medidas de cariz regulatório).

  • Ok. Mas de acordo com essa definição a austeridade começou a ser parcialmente removida, certo? O aumento de impostos de 2013 continua, mas a sobretaxa está quase a ser anulada, o corte de salários na função pública desapareceu, o IVA da restauração foi reduzido…

Errrr…. Bom, não. Quer dizer, vamos por partes.

É verdade que há medidas de consolidação adoptadas no período anterior que foram removidas completa ou parcialmente. Esses três elementos são muito emblemáticos, e podíamos acrescentar-lhes outros: a Contribuição Extraordinária de Solidariedade sobre as pensões mais altas, algumas mexidas no Rendimento Social de Inserção e Complemento Solidário para Idosos e por aí fora. Desse ponto de vista, há uma parte da austeridade que saiu de campo.

Mas houve nova austeridade a entrar em campo. Uma parte foi aprovada pela Assembleia da República, sob a forma de alterações nos impostos indirectos. A outra não passou directamente pelo crivo do Parlamento, mas não foi menos real por causa disso. Houve cortes na despesa com bens e serviços, reduções de Investimento Público, corte de subsídios e por aí fora. Tudo isto está detalhado nos relatórios do Orçamento do Estado ou nas avaliações do Conselho das Finanças Públicas. Não há aqui fantasmas, é só abrir os documentos e ler.

O primeiro lote de medidas é muito mais saliente e visível, porque os cortes de salários e impostos têm de ser legislados e discutidos em Plenário. A sobretaxa de IRS tem um impacto mediático que um congelamento de gastos nunca poderia ter. E isto é relevante. É por isso que quem parte da anecdotavel evidence (‘ah, mas eles fizeram isto!’) acabará sempre concluir que a austeridade tem sido pelo menos parcialmente revertida. Mas se queremos ter uma avaliação conjunta e global do que está a acontecer é preciso ir mais longe – é preciso contabilizar todas as medidas, de forma sistemática e organizada, levando em devida conta o seu impacto orçamental.

  • Mas há algum cálculo fiável disso, ou é tudo blábláblá?

Por acaso há. Uma forma de medir a orientação global da política orçamental é olhar para o saldo orçamental estrutural (SOE), que é um indicador calculado por tudo aquilo que é organismo internacional. Vejamos as coisas da seguinte maneira: em princípio, para medirmos a evolução dos impostos e das despesas do Estado bastaria olharmos para a variação do défice orçamental. Mas a variação do défice também é afectada por muitas outras coisas que não são determinadas pelo Governo: o ciclo económico, booms de activos, etc. A ideia do SOE é expurgar do défice estes factores de perturbação – de forma a que as oscilações remanescentes possam ser directamente imputadas às acções do Governo. Ou seja, a variação do SOE é uma medida indirecta da ‘austeridade’ imposta pelo Orçamento anual.

O que nos diz o SOE? Basicamente, que em 2016 houve o saldo líquido entre medidas de ‘reversão de austeridade’ e ‘implementação de austeridade’ foi positivo para o segundo termo – marginalmente positivo, mas ainda assim positivo.

1a.png

Para 2017, o Orçamento do Estado prevê algo semelhante. A ‘dose’, claro, é muito mais baixa do que em 2011 e 2012, mas reparem que estamos a falar de medidas adicionais. A dose de 2016 e 2017 é aplicada sobre sucessivas doses de 2011-2014 que se foram somando umas às outras.

  • Mas o SOE não é aquela coisa estranha que toda a gente critica e cujo cálculo a Comissão Europeia está a rever?

Sim, é (e felizmente, diria eu). O SOE tem alguns problemas técnicos, sobretudo em situações de grande output gap, mas têm vindo a ser desenvolvidas métricas alternativas, como o discretionary fiscal effort, ou a ‘métrica narrativa dos choques orçamentais’. Qualquer um chega mais ou menos às mesmas conclusões: os anos de 2016 foram de pequena austeridade adicional ou, no máximo, manutenção da austeridade anterior (ou seja, todas as reversões foram ‘compensadas’ com novas medidas).

1b

(Já agora: o ano de 2014 surge, estranhamente, como um ano de ‘expansão orçamental’. Parece-me que isto resulta do facto de os técnicos da Comissão Europeia terem classificado como medida expansionista o aumento de capital do Novo Banco. Desagreguei as medidas por categoria, para tornar mais transparente a questão).

  • Percebo que é preciso ter um olhar global, mas parece-me que a austeridade não é toda igual. Cortar salários e subir impostos não é a mesma coisa que não fazer um investimento. Eu prefiro ficar sem mais uma estrada do que sem uma parte do meu vencimento. Não devíamos levar em conta estas nuances?

Há muitas nuances a levar em conta, mas não dessa forma, nem de acordo com essa dicotomia. A distinção “medidas que retiram rendimento” e “medidas que não retiram” é um erro conceptual.

À primeira vista, essa distinção faz sentido. Eu sinto no meu bolso a sobretaxa de IRS, da mesma forma que os funcionários públicos sentem o corte salarial de 2011, ou a retenção dos subsídios de 2012. A minha percepção de um corte no investimento público é muito mais indirecta e mediada. Mas o investimento e os bens e serviços cortados também são rendimento – são rendimento das empresas que fornecem bens e serviços ao Estado, ou que com eles contratualizam obras públicas. Essas empresas têm de ter receitas para pagar salários e gerar lucros, e se não houver facturação não haverá nem um nem outro. O conceito de rendimento é um pouco mais lato do que ‘aquilo que aparece no recibo de vencimento’. Toda a despesa pública é sempre rendimento de alguém.

Um exemplo concreto, necessariamente extremado, para clarificar o ponto. Imagine-se que o Estado reduz o salário dos professores do Ensino Básico em 10% e, em contrapartida, aumenta o valor contratualizado com os professores que trabalham em regime de recibos verdes. O que é que aconteceu aqui? Um corte nos salários, compensado com um aumento da aquisição de bens e serviços. Mas a única diferença é mesmo as rubricas em que a DGO vai registar a despesa que mudou de destinatário. A ideia de que há rubricas que representam “corte de rendimento” e outras que são “poupanças” só faria sentido se o Estado estivesse a deitar dinheiro ao mar – mas, por norma, a despesa pública tem sempre um destinatário.

  • Entao é tudo igual?

Não, não é. A questão é que as diferenças não residem nessa dicotomia artificial. Há sobretudo dois ‘eixos’ ao longo dos quais a austeridade não é toda igual. E nenhum deles tem que ver com o disparate da “austeridade que tira rendimento”.

O primeiro é que dois pacotes de medidas com o mesmo impacto orçamental podem ter impactos radicalmente diferentes. Por exemplo, cortar 100M€ de Rendimento Social de Inserção não é a mesma coisa que cortar 100M€ sobre os salários mais altos através de mudanças no IRS. O impacto orçamental é semelhante, mas os alvos são diferentes e o sofrimento infligido, presume-se, também será.

Estas são diferenças importantes, mas não me parece que seja isto que esteja no cerne no debate sobre a ‘austeridade’. Nunca vi ninguém verdadeiramente interessado em saber quem são, do ponto de vista da hierarquia de rendimentos, os grandes beneficiários das reversões feitas nos últimos anos (ver aqui também) – coisas como o IVA da restauração, o corte salarial da função pública, a sobretaxa, etc. Nem em saber quem são os maiores prejudicados das medidas compensatórias adoptadas.

Novamente, não estou a negar a importância do debate em torno das características redistributivas da ‘austeridade’ – apenas a notar que este não tem sido este o ângulo de análise de quem discute os últimos dois orçamentos. A discussão parece não sair deste conveniente ‘devolver salários é bom porque é rendimento, cortar investimento não faz mal porque é outra coisa qualquer’.

  • E o segundo eixo…?

O segundo eixo é um pouco mais técnico. As medidas orçamentais não têm apenas um impacto directo. A injecção de um determinado rendimento na economia – através da reposição de um salário, da redução de um imposto ou da aquisição de um bem ou serviço – começa por afectar primeiramente o agente que dela beneficia, mas o processo não acaba aí. Esse agente vai fazer alguma coisa com o rendimento adicional, e são estes efeitos secundários que determinam em boa parte o impacto económico da medida.

  • Isso é aquela questão dos multiplicadores, certo?

Exacto. Todas as medidas de expansão orçamental aumentam o rendimento de alguém. Mas se eu estiver interessado em maximizar o rendimento global (vamos esquecer as questões redistributivas por agora), então devo concentrar-me nas medidas que têm um efeito multiplicador maior. Isto é, aquelas que, para além do impacto directo no rendimento do agente, geram um Produto adicional maior – um PIB, que por sua vez, aumenta o rendimento de outras pessoas algures na economia. Em teoria, uma política orçamental neutra pode ser expansionista se trocar medidas de ‘baixo multiplicador’ por medidas de ‘alto multiplicador’. Isto é mais ou menos a ideia por detrás do balanced budget multiplier.

  • Ok. E que rubricas são essas?

Nos últimos anos (isto é, entre 2010 e 2013…) tem havido uma quantidade absurda de investigação neste domínio, e por esta altura temos uma ideia bastante razoável das rubricas que têm um multiplicador mais elevado. Quem tiver interesse em súmulas interessantes pode ler o Palgrave Dictionary ou as súmulas do FMI e do CBO. Mas a imagem de baixo mostra uma estimativa de multiplicadores máximos (e mínimos) para diferentes ‘medidas’ orçamentais.

a3.png

O multiplicador mais elevado é para compras de bens e serviços (0.5-2.5), seguido de transferências de capital para financiar investimentos (0.4-2.2). Incentivos fiscais às empresas que afectem os seus cash-flows têm o multiplicador mais baixo. É difícil classificar todas as medidas tomadas entre 2016 e 2017 dentro desta grelha, mas a minha suspeita é que o mix de políticas seguidas não terá sido famoso do ponto de vista do seu impacto multiplicador.

  • Mas estas estimativas são para os EUA, certo?

São, mas as estimativas para Portugal não diferem muito. No geral, parece que as rubricas com multiplicador mais alto (i.e., as rubricas que ‘mexem mais’ com a economia – para o bem ou para o mal) são o Investimento, seguidas do Consumo Público (compras de bens e serviços, contratação de pessoal), benefícios sociais, impostos sobre o rendimento e, finalmente, impostos sobre o consumo. O Banco de Portugal tem um estudo sobre isso, de que já falei aqui, que chega mais ou menos a essas conclusões (A única diferença é que não considera o investimento público, que não entra no modelo).

  • Porquê então a prioridade dada à reversão de coisas como o Iva da restauração, a sobretaxa e os salários da função pública?

Pode haver algum estudo sinistro feito internamente no Ministério das Finanças a explicar tim-tim por tim-tim que estes itens, ao contrário do que sugere a investigação e a observação de circunstância, têm um enorme efeito multiplicador e são altamente progressivos nos seus efeitos redistributivos. Neste lote de coisas-que-nunca-ninguém-viu-mas-que-podem-existir também se incluem unicórnios.

A minha suspeita, que já avancei aqui, é que apesar de não haver racional social ou económico para dar prioridade à reversão destas medidas, há um racional político e mediático para as colocar no pelotão da frente da check-list. Estas são as medidas mais emblemáticas da era da Troika. São as medidas que as pessoas vêem no seu recibo de vencimento, que provocam choques com o Tribunal Constitucional, que aparecem nos telefornais e que exigem discussão parlamentar. É um pouco como a história dos Galacticos do Real Madrid: o propósito das contratações nem sempre era maximizar o retorno desportivo da equipa, mas sim gerar buzz em torno do plantel e projectar o clube além-fronteiras. Apesar de David Beckham não valer metade de um Makelele no meio campo, trocar um pelo outro tinha impacto mediático (nota para os esquecidos: sim, Beckham jogou mesmo a trinco no Real Madrid).

  • Ok, mas vamos sair do universo abstracto dos multiplicadores e olhar para os factos. Durante os primeiros anos da austeridade a economia esteve em recessão. Agora cresce. Não percebo muito de economia, mas tudo isto me parece apenas conversa fiada para enganar os tolos. Há mesmo alguma coisa de diferente a acontecer.

É importante fazer uma distinção importante entre níveis e variações de níveis. Habitualmente pensamos no PIB e no emprego como sendo determinados – entre outras coisas… – pela procura agregada. O efeito da política orçamental sobre a procura agregada exerce-se através das mudanças de impostos e mudanças de despesas. Isto é, um corte de despesa reduz a taxa de crescimento do PIB no ano em que é adoptado. Mas não continua a puxar para baixo a economia nos anos subsequentes. Se quisermos converter o princípio numa afirmação prática podemos dizer que a redução do défice prejudica o crescimento, mas défices baixos têm um efeito nulo nesse mesmo crescimento.

Ora, o que aconteceu entre 2011 e 2013 foi uma redução muito acentuada do défice – grandes doses adicionais de austeridade, ano após ano. A partir de 2014 a situação financeira começa a normalizar e é possível abrandar o ritmo de adopção de novas medidas. Portanto é normal que a economia esteja a crescer em 2017, apesar da austeridade passada ser mantida. Porque o reforço anual de medidas, desde 2014 a 2017, tem sido marginal.

  • Não sei se estou a perceber.

Imaginemos uma pessoa com 100 kgs que inicia uma dieta para chegar aos 80kgs em três meses, ao ritmo de 10+6+4. Qual é a fase mais difícil? O primeiro mês, quando tem de passar de 100kgs para 90kgs? Ou o quarto mês, quando está nos 80kgs? Obviamente é o primeiro, à medida que se apercebe das privações por que tem de passar para controlar o peso. Mas a partir do momento em que estabiliza o peso, o sofrimento desaparece. E não é preciso ‘reverter a dieta’ para este sofrimento desaparecer: basta deixar de perder peso adicional e esperar que o corpo se habitue à nova situação. Com a austeridade é a mesma coisa: é a dose adicional de medidas adoptada em cada ano que afecta o crescimento, e não o stock total de medidas existente em cada período.

  • Mas então por que é que as pessoas não têm essa noção?

Eu não tenho a certeza de que as pessoas não tenham ‘essa noção’. Parece-me que as pessoas têm bastante noção de que as suas vidas estão a melhorar desde meados de 2013, quando a economia começou a crescer – e que, não por acaso, coincide com a altura em que o défice começa a aproximar-se do objectivo e a austeridade adicional se torna residual. Por exemplo, o Indicador de Confiança dos Consumidores mostra mais ou menos isso.

a123.png

Do que as pessoas eventualmente não terão noção é de que a austeridade – novamente, definida como o stock de medidas de consolidação existente a cada momento – não só não foi revertido como até foi marginalmente reforçado. Mas isso não me parece uma questão de percepção particularmente interessante. As pessoas, no geral, não serão muito boas a avaliar a orientação da política orçamental. Terão, quanto muito, alguma capacidade para fazer ‘ponto de situação’ de algumas medidas emblemáticas – e essas, como vimos, de facto têm sido revertidas.

  • Ok. Para resumir, então…

Para resumir: i) a austeridade, definida como ‘medidas de orçamentais de redução do défice’ não acabou. O que acabou foi o período de grandes ajustamentos adicionais: neste momento, a dose marginal que é preciso adoptar a cada ano que passa é minúscula. ii) Portanto, não é que a austeridade tenha desaparecido – simplesmente tornou-se irrelevante para o crescimento económico; iii) É verdade que houve alterações no mix de medidas, e que nesse sentido a austeridade actual é diferente da austeridade passada. Mas as diferenças em causa – ao nível dos sectores em que incidem, e dos impactos económicos que geram – provavelmente não serão aqueles que a maior parte das pessoas de julga. E certamente que não têm sido discutidos com rigor; iv) É perfeitamente possível que a maior parte das pessoas não tenha noção de tudo isto. Se pudéssemos avaliar a política orçamental pelo que lemos nas notícias ou pelo que vemos na liquidação do IRS não eram precisas estatísticas económicas. Mas são – e por boas razões.

Anúncios

11 comments on “O fim da austeridade?

  1. Paulo diz:

    Sou um leigo mas uma parte significativa das medidas emblemáticas – tirando o IVA da restauração – não podem ser vistas como parte de algumas das tais categorias com efeitos multiplicadores relevantes?
    Por exemplo, o fim da sobretaxa e dos cortes de salários na função pública não têm um papel mais ou menos semelhante ao aumento do “Consumo Público”, por exemplo? No fundo o estado passa a gastar mais nas rubricas de salários, por exemplo. Não?

    Gostar

    • Tecnicamente, Consumo Público será mais ‘compra de bens e serviços’ + ‘contratação de funcionários’. Alterações de salários e fim da sobretaxa entram mais na categoria de ‘impostos sobre o rendimento’ – e, neste caso, os impostos incidem sobre trabalhadores com uma situação orçamental bem acima da média, pelo que o efeito multiplicador tenderá a ser relativamente baixo. (de acordo com o ‘modelo do CBO’, bem visto)

      Gostar

  2. Luís Alves diz:

    Sou um leigo na matéria mas parece-me que o aumento dos salários e corte no IVA (entre outras medidas do tipo, que aumentam o dinheiro disponível para a maior parte das pessoas) pode ter um efeito multiplicador maior do que nos EUA. É que a economia portuguesa é composta por uma maioria de pequenas empresas, julgo que são mais de 90% das empresas. Não conheço bem os EUA e muito menos os números mas sei que até em coisas simples como cafés, restaurantes, lavandarias, e outro tipos de negócios assim, são dominados por empresas grandes que têm cadeias desses pequenos negócios. Até os próprios mini-mercados da esquina pertencem a esse tipo de empresas.
    Parece-me evidente que a economia beneficia mais em entregar 500 milhões em ordenados à população do que fazer 2 ou 3 negócios com a Mota-Engil.

    Gostar

  3. jvgama diz:

    Parece que tu e o Ricardo Paes Mamede decidiram escrever sobre o mesmo assunto:

    https://ladroesdebicicletas.blogspot.pt/2017/09/a-austeridade-ainda-anda-por-aqui.html?spref=fb

    Gostaria bastante de ver um debate entre vocês os dois, não necessariamente sobre este assunto em específico.

    Gostar

    • O RPM define austeridade como “estratégia de combater a crise com cortes orçamentais”. Eh pá, sinceramente acho que nunca vi ninguém – na academia ou fora dela – defender tal coisa. Nem a própria ideia da austeridade expansionista, já de si uma relíquia intelectual, assenta nessa ideia. Se isso é a austeridade, então nunca houve austeridade em Portugal (nem, provavelmente, em país nenhum).

      Gostar

      • Eu dá-me a ideia que o RPM define “austeridade” sobretudo como cortes da despesa e dos salários, não tanto como cortes nos deficits (um pouco o inverso da teoria que o mal era estar-se a aumentar impostos em vez de cortar despesas) – no fundo, acho que ele está a chamar “austeridade” ao que normalmente se chama “desvalorização interna”; e há quem realmente achasse que a saída para a crise era a “desvalorização interna”.

        Liked by 1 person

      • Agora que releio o texto do RPM, essa interpretação faz sentido. Mas será que melhora muito? Se for essa a definição de austeridade, então o enorme aumento de impostos foi anti-austeridade. A maior parte das pessoas não partilharia esta avaliação.

        Gostar

      • «Embora se possa argumentar que grande parte do esforço de consolidação orçamental assentou no aumento de impostos (e só em menor grau na redução da despesa permanente), PSD e CDS promoveram activamente a “redução do peso do Estado” (fórmula eufemística para referir os cortes nos serviços públicos, nas pensões e noutras prestações sociais) e a desvalorização dos salários (desregulando as relações laborais, reduzindo o montante e a duração do subsídio de desemprego, congelando o salário mínimo, cortando os salários dos funcionários públicos, etc.).»

        Anda muito perto do que ele diz aqui (em que parece dizer que as politicas do governo de Passos Coelho foram de austeridade apesar de ter aumentado os impostos, não por ter aumentado os impostos).

        Gostar

      • Acho que há um grande potencial de ambiguidade na palavra “austeridade”, dependendo de quem estiver a ser “austero”

        – Há quem diga (eu até via sobretudo esse discurso mais à direita) que só é austeridade se se cortar despesa, não se se subir impostos; estas pessoas estão a associar “austeridade” a o Estado ser ele próprio austero (logo, ser o Estado a fazer sacrifícios)

        – Há a definição clássica – reduzir os deficits orçamentais; esta faz sentido se pensarmos em ser a sociedade no seu conjunto que é submetida à austeridade (e aí tanto aumentar impostos como cortar despesas será austeridade)

        – A definição do RPM parece estar associada aos trabalhadores serem austeros, e aí austeridade será só cortes nas despesas sociais, redução de salários e feriados, menos férias (e na prática acaba por ter muitas semelhanças com a primeira)

        Uma situação que penso que já falei aqui (mas fiz uma pequena busca e não achei, portanto repito-a).

        Há uns anos estava numa reunião em que também estava presente uma deputada, que dizia que a austeridade consistia em atacar os direitos do trabalhadores, o estado social, etc.; quando intervi, disse que se calhar poderia haver outra austeridade, dando o exemplo do que seria se a Grécia cortasse as despesas militares e pusesse os armadores e a Igreja Ortodoxa a pagar impostos; ela respondeu que não nos estávamos a entender e que uma politica dessas não seria austeridade.

        Liked by 1 person

    • Obrigado, Miguel. É por essas razões que eu defino logo à partida o que é que entendo por austeridade. Ora, a definição que eu uso (a “clássica”) tem, parece-me, e como ‘plus’, algumas vantagens conceptuais que as outras não têm.

      Por norma, as pessoas identificam austeridade com “uma coisa má”, mesmo que depois tenham dificuldade em explicar exactamente por que é que as coisas são más. Ora, cortes de despesa e subidas de impostos são obviamente coisas “más” do ponto de vista de quem os sente. Depois há quem separe a “austeridade do Estado” da “austeridade das pessoas”, mas isso é um erro conceptual.

      Ou melhor, claro que há diferentes medidas que incidem sobre diferentes pessoas, mas julgo que a principal motivação para se fazer esta distinção é a crença, errada, de que “cortes no Estado não afectam as pessoas” e “cortes no rendimento afectam as pessoas”. Ora, se a motivação que justifica a distinção é esta, então a motivação resulta de uma falácia: todos os cortes afectam pessoas.

      Claro que depois podemos entrar no domínio académico e discutir se ‘um corte de despesa que incide sobre agentes externos’ (juros) conta ou não como ‘austeridade’. Mas isto é entrar num debate que se torna irrelevante para a maioria das pessoas. Faria tanto sentido (e seria tão pouco claro) como eu definir austeridade como “medidas de consolidação orçamental tomadas num período em que a política monetária não pode compensar a redução da procura”. Se queremos ter um debate sobre austeridade com um grupo de pessoas mais extenso do que a comunidade de macroeconomistas temos de adoptar uma definição simples – e torná-la tão cristalina quanto possível.

      Gostar

  4. Ricciardi diz:

    Eu não acho muita piada ao indicador dívida pública em função do pib. Nem me parece que produza um julgamento sério acerca do envolvimento dum estado com a sua dívida.
    .
    O pode PIB pode crescer imenso sem produzir receitas fiscais correspondentes. Basta isentar de impostos duas ou três multinacionais de peso.
    .
    Tenho a impressão que se analisarmos as dividas dos países em função das receitas fiscais que arrecadam podemos ter surpresas agradáveis para Portugal.
    .
    Na prática, quantos anos de receitas fiscais são necessárias para amortizar a dívida pública?
    .
    Este racio em Portugal anda na casa dos 2,7 anos. Portugal precisa de 2,7 de receitas fiscais para pagar a dívida pública.
    .
    A Alemanha, curiosamente precisa de mais tempo.
    .
    Rb

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s