Novas da desigualdade

Em comentário por e-mail, um leitor pergunta por que razão tem a economia “desprezado de forma gritante os problemas associados à desigualdade”. E sugere que se devotem mais recursos à investigação neste âmbito e menos “às áreas mais estéreis e ideológicas da macroeconomia”. Esta crítica faria algum sentido há alguns anos. Neste momento, e tendo em conta a importância que o tema tem vindo a ganhar, parece-me desactualizada. Em baixo seguem algumas referências.

Sobre os problemas individuais associados à desigualdade há imensa literatura relevante. Em 2009, o livro The Spirit Level chamou a atenção para alguns destes problemas. A obra foi sujeita a intensa crítica e as suas principais conclusões devem ser lidas com algum cepticismo, mas a bibliografia referida fornece algumas pistas perceber em que medida a desigualdade pode ser corrosiva.

No âmbito da Economia Comportamental, um campo promissor que insiste em experiências laboratoriais, há vários estudos a confirmar os efeitos nefastos da desigualdade. Também é possível utilizar técnicas econométricas para apurar indirectamente estes efeitos – veja-se este estudo engenhoso de Bruno Frey, por exemplo.

Nos últimos anos tem havido também um interesse crescente na compreensão das razões subjacentes ao crescimento da desigualdade. Há o estudo clássico de Katz e Goldin, de 2007, que aponta para o efeito conjugado de desenvolvimento tecnológico ‘enviesado’ e fracas melhorias do sistema educativo (The race betwwen education and tecnhology). Esta é considerada uma das principais explicações, juntamente com a globalização e alterações de política fiscal e regulação laboral e financeira – a OCDE fez a melhor compilação que conheço em Divided we stand, um longo relatório acerca do tema.

Mais recentemente, vários académicos têm tentado ir além das causas e efeitos individuais e colocaram a hipótese de a desigualdade poder ter efeitos no próprio crescimento económico. O antigo economista-chefe do FMI avançou esta possibilidade em Fault Lines (livro do ano de 2010 para o FT) e Michael Kumhof, formalizou esta hipótese através da criação de um modelo económico. A ideia básica é que a desigualdade gera pressões no sentido da acumulação de dívida, que acabam por desaguar numa grande crise financeira. Mecanismos mais ortodoxos através dos quais a desigualdade pode afectar o crescimento são elencados num óptimo relatório de Jared Bernstein.

Finalmente, a investigação neste campo tem sido impulsionada pela excelente base de dados de Thomas Piketty e Emmanuel Saez, The Top Incomes Database. E este interesse, por sua vez, levou a OCDE a compilar também números neste campo. A OECD Income Distribution Database é um recurso valioso para quem quiser perceber as dinâmicas da desigualdade. P.S.- Estas são apenas as referências que conheço. Quem tiver contributos adicionais poderá deixá-los na caixa de comentários.

Anúncios

4 comments on “Novas da desigualdade

  1. A ideia que eu tenho é de que a questão da igualdade/desigualdade até tem sido se calhar o assunto mais discutido em Economia nos últimos 150 anos.

    Gostar

  2. Presumo que não lhe tenha escapado um artigo publicado recentemente no FT – Capitalism: In search of balance – de John Gasper. Como não o vejo referido, mas porque me parece ter algum interesse, resumo o propósito de J Gasper: contraditar o discurso/exortação do Papa Francisco que acusou o capitalismo de encorajar a idolatria do dinheiro e o crescimento da desigualdade no mundo. Defende Gasper que “conquanto tenha aumentado a desigualdade nas sociedades mais desenvolvidas a desigualdade a nível global foi reduzida”.

    Por mérito do capitalismo, segundo Jasper.

    “Cada um o que quer prova”, afirmava J Guimarães Rosa, pela boca do sertanejo.

    Gostar

    • Os efeitos perniciosos da desigualdade são locais ou globais? Essa é a verdadeira questão. Se forem globais, diminuição da desigualdade global (em troca de aumento de desigualdade local em TODAS as sociedades, tal como está a ocorrer) pode até ser benéfico. Se (como temo) os efeitos são sentidos prioritariamente localmente, diminuição da desigualdade global não pode compensar isso.

      Gostar

  3. A correcção entre os aumentos de rendimento do grupo dos mais ricos e a redução de outros grupos intriga-me. Que respostas haverá para que sem perturbar o crescimento podermos actuar para eliminar essa disparidade e corrigi-la com vantagem. As politicas de impostos Holanda/França sendo um exemplo penso que terá como consequencia o efeito contrario ao da justiça desejada.
    As verbas que B.Gates& Co entrega à fundação e subtrai aos burocartas das finanças têm um efeito multiplicador no bem estar dos cidadãos que me merece nota positiva. Que outros caminhos deviamos seguir?

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s