Igualdade na Grécia, em Portugal e na Islândia

A OCDE publicou há umas semanas o seu boletim anual acerca da evolução das desigualdades (o título deste ano é revelador: In it together: why less inequality benefits all). Uma das coisas mais interessantes do documento, que só agora tive a oportunidade de ler, é a comparação que fazem dos efeitos “distributivos” das medidas de austeridade na Europa.

O princípio parece-me semelhante ao que o FMI empregou há cerca de dois anos. Basicamente, pegam em informação detalhada acerca das medidas implementadas, criam uma espécie de “mapa” do tipo de famílias que populam cada país e cruzam as duas informações. Resultado: um quadro geral do impacto que os pacotes de austeridade tiveram em cada franja de rendimento.

Continuar a ler