A economia do futebol

Cognitive biases in football punditry, por Chris Dillow. Este é daqueles textos que nos obriga a pensar. Por um lado, é óbvio que o comentário futebolístico é animado pelos enviesamentos cognitivos mais gritantes. Por outro lado, é difícil imaginar como seria possível comentar um jogo de forma minimamente razoável. «A equipa foi goleada, mas é estatisticamente inevitável que resultados destes aconteçam de vez em quando, pelo que é prematuro fazer uma avaliação da qualidade intrínseca do plantel» é tudo o que um adepto não quer ouvir. Para serem minimamente razoáveis, os comentários teriam de ser absolutamente inodoros. Talvez uma boa dose de irracionalidade seja o preço a pagar para podermos gozar o jogo.

Football might be the world’s most popular sport, but moaning about co-commentators runs it a close second: so far, Clarke Carlisle, Andy Townsend and Phil Neville have all trended on Twitter and not in a good way.

One reason – or at least justification – for this contumely is that their judgments are often clouded by numerous cognitive biases; I’ve long suspected that Daniel Kahneman could have re-written Thinking Fast and Slow by taking examples solely from football punditry.

Here is an (incomplete) inventory of these biases:

1. Hindsight bias. How often after a player shoots wide, does Andy Townsend say he could have passed instead? It’s easy to know the right thing to do when you’ve seen what went wrong. This is especially true when discussing defences. Pointing out that the defensive shape was wrong after it conceded a goal is not good enough; the question is: did that same shape prevent many other goals? Americans call this Monday morning quarterbacking: it’s a shame there’s no English equivalent.

2. Outcome bias. Results shape our perceptions of performance. For example the Netherlands’ 5-1 defeat of Spain looks like a tonking. But their third goal might have been disallowed; their fourth was due to an unusually bad goalkeeping error and their fifth caught a demoralized side on the break. It’s a cliche – because it’s true – that football is a game of small margins, but if those margins all drop in your favour you can achieve a great result without a proportionately superior performance.

3. Misperceiving randomness. There’s always one team at a World Cup that does surprisingly well. This, though, is only to be expected. A lot of teams have a small but reasonable chance of getting to, say, the quarter-final. Across 32 teams, one of those chances is likely to turn up – just as we are likely to win a prize if we buy enough lottery tickets.

4. The hot-hand fallacy. This is a tendency to see “form” where none really exists but merely a run of luck. Take, for example, a player who scores a goal every other game – roughly Suarez’s and van Persie’s record but less that Dzeko’s. Over a 50-game career, such a player has a 50-50 chance of scoring six goals in six games. Such a run could well be enough to win him a golden boot and legendary status. A variation of this fallacy is the “commentator’s curse” – when a commentator praises a player only to see him shank a pass horribly. What happens in such cases is that an in-game run of luck suddenly stops.

5. Bayesian conservatism. Once we’ve got an idea that a team or player is rubbish, we interpret evidence to back up this idea; this is seen in co-commentators repeating themselves. My prior is that Diego Costa is a nasty cheating traitor who will therefore fit in well at Chelsea; I doubt this will change.

6. Selective perception. This is closely related to conservatism. It’s our tendency to notice evidence that supports our priors more than evidence that contradicts it. So if we have an idea that someone is a good player, we’ll spot his good points more than his bad; this is especially likely because so much of what players do (or don’t do) happens when they don’t have the ball; do they make good runs, or track back well?

7. Over-reaction. For example, Uruguay looked poor last night. Is this because they are a genuinely mediocre side (as their qualifying recordsuggests) or is it because they had an off-day? We can’t tell for sure on the basis of 90 minutes. If we do so, we might well be over-reacting.

8. Overconfidence. Everyone thinks their opinions on football are the correct ones, in part because we underweight our vulnerablity to all of the above; this is the Dunning-Kruger effect. One example of this is that many of us are backing Brazil to win the cup. But in fact, although they are favourites the smart money thinks there’s a 75% chance they won’t win.

Of course, cognitive biases aren’t necessarily wrong; indeed, they persist precisely because they sometimes (often) lead us to the right conclusion. And sometimes, they can cancel out; for example, Bayesian conservatism offsets over-reaction. My point is merely that one reason why pundits so often annoy us is that they are prone to such biases – and, of course, we are morely likely to see such biases in others than in ourselves.

 

Uma âncora diferente para as expectativas de inflação

A maior recessão dos últimos 70 anos veio acompanhada de uma desinflação bastante modesta. Em Inflation expectations and the missing desinflation, Olivier Coibion e Yuriy Gorodnichenko criticam as explicações de Bernanke e do FMI e sugerem uma hipótese alternativa.

We propose a novel explanation for the missing disinflation that remains fully within the context of traditional Phillips curve analysis (Coibion and Gorodnichenko 2013). We show that an expectations-augmented Phillips curve – using household inflation expectations as measured by the Michigan Survey of Consumers – can account for the absence of strong disinflationary pressures since 2009.

(…)

One unusual implication of our explanation is that the absence of more pronounced disinflation – or even deflation – in advanced economies following the Great Recession likely reflected a unique set of factors (e.g. rapid recoveries in developing economies like China spurring global demand for commodities) which policymakers should not necessarily expect to be repeated in future crises.

To the extent that this rise in inflationary expectations may have prevented the onset of pernicious deflationary dynamics, the rise in oil prices could be interpreted as a lucky break – generating the very rise in inflationary expectations which policymakers have only recently begun to push aggressively toward in the form of forward guidance.

A second unusual feature of this interpretation is that – contrary to Bernanke’s ‘anchored expectations’ hypothesis – we show that household expectations have not been fully anchored, and continue to respond strongly to commodity price changes.

If our explanation is correct, anchored expectations on the part of households and firms would likely have delivered much worse economic outcomes through more pronounced disinflationary dynamics. So while anchored expectations likely remain a desirable outcome in most circumstances, the experience since 2009 presents a cautionary example of the potential downside of fully anchored expectations.

Dinheiro e sentido de voto

Mais um artigo interessante no Vox. Os autores fazem um estudo inédito em que seguem as preferências políticas de vários eleitores, alguns dos quais ganharam a lotaria. Aparentemente, quanto maiores forem os valores ganhos, maior a tendência para a preferência política se enviesar progressivamente para a direita. Money makes people right-wing and inegalitarian, por Andrew Oswald e Nattavudh Powdthavee.

We are able to observe people before and after a win. Access to longitudinal information gives us advantages denied to most previous researchers on this topic. One reason this is important is because it seems plausible that personality might determine both the number of lottery tickets bought and the political attitudes of the person, and this might thereby lead to a possible spurious association between winning and right-leaning views. We provide, among other kinds of evidence, a simple graphical demonstration that winners disproportionately lean to the right having previously not been right-wing supporters.

(…)

The consequences of winning even a modest sum of money are fairly large – certainly a number of percentage points extra on your chances of favouring a Mrs Thatcher or a Ronald Regan. Thus money makes people right-wing and inegalitarian. Perhaps even you.

Desigualdade e os 1%

Understanding ever-increasing executive pay, por Simon Wren-Lewis.

So what is the alternative story to the argument that executive pay reflects the market rewarding the rising productivity of CEOs? The first obvious point is that executive pay is not determined in anything that approximates an idealised market where prices are set to balance supply and demand. Instead it is set within a bargaining framework between employer (the firm) and employee (the CEO). Even if we imagine the employer in this case to be someone that genuinely reflects the interests of shareholders, the costs associated with losing your CEO, together with informational problems in assessing their true worth (which can lead to the age old problem of judging quality by price, and the ‘arms race’ that Chris describes), mean that the CEO potentially has substantial bargaining power.

Yet this situation did not suddenly arise in the 1980s, and it will be true in most countries, and not just in the US and UK. So why did executive pay start taking off in the 1980s in these two countries? Well something else happened at the same time: tax rates on top incomes were also substantially reduced. Why does reducing the tax rate on top incomes lead to a rise in those incomes pre tax? With lower tax rates, the CEO has a much greater incentive to put lots of effort into the bargaining process with the company. They, rather than the tax man, will receive the rewards from being successful.

This is the idea set out in this paper by Piketty, Saez and Stantcheva [3]. They call this a “compensation bargaining” model. The paper backs up this theoretical model with evidence that there is a “clear correlation between the drop in top marginal tax rates and the surge in top income shares”. In addition, they present microeconomic evidence that CEO pay for firm’s performance that is outside the CEO’s control (i.e. that is industry wide, and so does not reflect personal performance) is more important when tax rates are low. (Things like stock options).

Now one reaction to this model is that it ignores many other social/economic factors that may also have been important. Things like changing social norms and political changes (loosely, the rise of neoliberalism), reduced union power, changes in financial regulations, growing financialisation etc. I think this reaction is correct, but as the authors themselves say, such explanations are “multi-dimensional and it is difficult to estimate compellingly the contribution of each specific factor”. Economists like simple models that can be tested against the data. That is what the compensation bargaining model set out by Piketty et al does. I don’t think it is too much of a stretch to think about bargaining effort as a proxy for all these other factors.

Acabar com o IRC

Uma proposta de Lawrence Kotlikoff, no Vox. It’s time to eliminate the US corporate income tax.

When it comes to corporate tax reform, the true incidence of who bears the tax is also lost in the words. Most people, regardless of political party, think the corporate income tax is primarily paid by rich corporate shareholders. But this is not necessarily the case (Felix and Hines 2009, Kotlikoff et al. 2013). In particular, a recent large-scaled dynamic simulation study, entitled “Simulating the Elimination of the US Corporate Income Tax,” (Kotlikoff et al. 2013) strongly suggests otherwise. As I discussed in a recent NY Times column (Kotlikoff 2014), corporate shareholders can, and do, move their capital and production away from countries that impose high corporate income tax rates to countries that impose low corporate income tax rates.

Our paper simulates corporate tax reform in the US and abroad, including the complete elimination of the US corporate income tax. The model features a single good produced in five regions – the US, Europe, Japan (plus Korea and Taiwan), China, and India – with skilled and unskilled labour. It also closely models demographics, including age-specific birth and death rates, as well as each countries’/regions’ fiscal policy.

We find that:

  • Eliminating the US corporate income tax with no changes in the corporate tax rates of the other regions can produce rapid and dramatic increases in US domestic investment, output, real wages, and national saving.
  • These economic improvements expand the economy’s tax base over time, producing additional revenues that make up for a significant share of the loss in receipts from the corporate tax.

The simulated economic gains from eliminating the corporate tax – while insufficient to fully finance the corporate tax cut (i.e., there is no Laffer Curve, per se) – are large enough to produce a Pareto improvement. Modest welfare gains accrue to early generations, both skilled and unskilled, and very sizable welfare gains go to young and future generations, both skilled and unskilled.

Importantly, these gains arise naturally with no special compensation mechanism required to transfer from winners to losers.

Paradoxo de Easterlin revisitado

Uma curiosa reavaliação do Paradoxo de Easterlin, segundo o qual a riqueza não traz felicidade (embora ajude). GDP and life satisfaction: new evidence, no Vox.

Our econometric analysis implies that long-term GDP growth is certainly desirable among poorer countries, but is it a desirable feature among developed countries as well? Recent evidence shows the negative effect of high aspiration can also be rationally predicted by individuals who, nevertheless, may still choose options that may not seem to maximise happiness, but which are compatible with high-income aspirations.

This implies that individuals may still prefer to live in richer countries, even if this would result in a decreased level of life satisfaction. In other words, the fact that individuals aspire to a higher income may not be considered – from an individual perspective – a negative feature of an economy even if this might result in a lower level of reported life satisfaction among the richest countries.

Uma pequena confusão acerca do Fundo da Segurança Social

No último dia como ministro das Finanças, Vítor Gaspar assinou um decreto que pode liquidar a vida de, pelo menos, 3 milhões de portugueses. Esse decreto determina que o Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social “terá de adquirir 4,5 mil milhões de euros de dívida soberana”. Sabendo-se que o referido fundo foi criado como reserva para assegurar, em caso de colapso do Estado, os direitos dos reformados, pensionistas, desempregados e afins durante dois anos, o golpe em perspectiva representa o risco de uma descomunal tragédia entre nós.

Este artigo de Fernando Dacosta, publicado no ‘i’ de hoje (link), é altamente enganador.

O primeiro engano advém da forma como é utilizada a expressão “adquirir 4,5 mil milhões de euros” – como se esta aquisição correspondesse a gasto efectivo e, portanto, à descapitalização, no mesmo montante, do Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social (FEFSS).

Uma expressão mais apropriada seria “investir 4,5 mil milhões de euros em dívida pública”. A questão é que o FEFSS é, como qualquer fundo de capitalização, um veículo de investimentos: capta recursos que são aplicados em determinados activos (como obrigações, acções, etc.) na esperança de que estes se valorizem. A aquisição de dívida pública não delapida, por isso, as reservas do FEFSS; simplesmente armazena-as sob um formato diferente.

A este respeito, pode ser interessante notar que o Trust Fund dos EUA, que tem algumas semelhanças com o nosso FEFSS, investe os seus recursos única e exclusivamente em títulos de dívida pública do Tesouro. Sem que se fale, por lá, no risco de uma “descomunal tragédia”.

A decisão de comprar ou não obrigações do Estado português deve pois ser analisada apenas e só à luz dos princípios da boa gestão de portefolio. Ou seja: se a compra de dívida pública nacional é uma boa escolha de investimento ou se, pelo contrário, estes activos são demasiado arriscados para serem integrados numa carteira de investimento que deve, por princípio, ser conservadora.

E aqui reside a parte complexa do problema. É verdade que a dívida pública portuguesa já teve melhor fama junto dos investidores, e que há fundadas dúvidas quanto à possibilidade de o Estado português continuar a servi-la nos próximos anos. Por outro lado, o regime de pensões da Segurança Social, cuja sustentabilidade o FEFSS visa garantir, já é neste momento garantido por emissão de dívida – em 2012, por exemplo, o “excedente” do subsector ‘Segurança Social’ só se verificou devido a uma transferência de quase 8 mil milhões de euros do Estado (ver execução orçamental), que representou cerca de um terço da receita total do ano em causa.

Em suma, é a emissão de dívida pública que garante as pensões actuais – e de facto, a acumulação de excedentes que alimentam, mesmo que apenas em parte, o próprio FEFSS. Mas ao mesmo tempo exige-se, no interesse dos pensionistas (!), que o FEFSS reduza a sua exposição à dívida pública, tornando assim a sua emissão mais difícil. Talvez haja alguma justificação profunda e complexa por detrás deste aparente anacronismo. Mas eu ficaria muito surpreendido se existisse.

O que não pode levantar dúvidas é que há pelo menos uma grande vantagem em dar mais margem de manobra ao FEFSS para comprar dívida pública. É que, de acordo com as regras contabilísticas europeias“a dívida pública tem de ser consolidada: os passivos cujos activos financeiros correspondentes são detidos pelos subsectores das administrações públicas têm de ser eliminados do cálculo”. Ou seja, trocar os investimentos actuais na posse do FEFSS por obrigações do Tesouro permitiria integrar estes títulos dentro do próprio sector público, que passaria assim a ser o seu detentor legítimo, e com isso reduzir contabilisticamente o valor efectivo da dívida pública – porque dívida que o Estado deve a si mesmo não é, para todos os efeitos, verdadeira dívida (consolida, na gíria do Sistema de Contas em vigor).

Note-se que não se trata aqui de criar um esquema contabilístico para ocultar dívida pública. Pelo contrário, é o esquema actual de investimento em activos externos que é altamente anacrónico, já que gera uma situação em que a variação da dívida pública efectiva é superior à que seria necessário admitir tendo em conta o valor dos défices efectivos. E isto porque o excedente de um determinado sector (Segurança Social) não pode ser usado para abater ao défice de outro subsector (Estado), obrigando este último a emitir mais dívida do que seria necessário caso a consolidação de contas fosse possível.

(Este blogue vai parar algum tempo. Boas férias e até breve).

Contra o salário mínimo

Subir o salário mínimo de forma gradual é uma das propostas de Barack Obama para os próximos anos. Uma crítica à medida surge hoje no new York Times, por parte de quem menos se esperava: The business of the minimum wage, por Christina Romer, antiga presidente do Conselho Económico de Obama.

SO where does all of this leave us? The economics of the minimum wage are complicated, and it’s far from obvious what an increase would accomplish. If a higher minimum wage were the only anti-poverty initiative available, I would support it. It helps some low-income workers, and the costs in terms of employment and inefficiency are likely small.

But we could do so much better if we were willing to spend some money. A more generous earned-income tax credit would provide more support for the working poor and would be pro-business at the same time. And pre-kindergarten education, which the president proposes to make universal, has been shown in rigorous studies to strengthen families and reduce poverty and crime. Why settle for half-measures when such truly first-rate policies are well understood and ready to go?

Adenda: No Vox, outro texto que vale a pena ler.

A década perdida em perspectiva

A sexta avaliação do PAEF não trouxe grandes novidades. Mas, no âmbito do protocolo do Artigo IV, o FMI deu um bónus aos interessados na economia portuguesa e publicou uma série de estudos de fundo acerca da situação económica nacional. Dois dos Selected Issues Papers lançam alguma luz acerca do desempenho económico frustrante de Portugal ao longo da última década, fornecendo óptimos contributos para juntar as peças de uma história cujos detalhes continuam, ainda hoje, longe de ser completamente compreendidos.

No primeiro estudo, o FMI ajuda a pôr em perspectiva o período de divergência económica face à média europeia que começou em 2000. Segundo os cálculos do Fundo, que assentam na análise de Funções de Produção, esta travagem súbita representa, pelo menos em parte, o fim de um processo de convergência que assentou na acumulação de capital. Quando a diferença face aos países mais desenvolvidos encurtou, o mecanismo ficou praticamente esgotado.

However, convergence over 1974–91 was mainly the result of the Portuguese economy rapidly becoming more capital intensive. Allocative efficiency—measured as relative TFP—remained virtually at the same level over the period, with the exception of a few sub-periods of ups and downs reflecting economic difficulties. Convergence in income levels was mainly driven by the accumulation of physical capital, with the relative stock of capital per employee growing strongly (see charts) as a result of strong growth of public and private sector investment growth. An increase in relative human capital also contributed to the convergence process.

Quando o processo se esgotou (1991), o crescimento da produtividade estagnou, e foi o maior volume de força laboral a estimular o crescimento do PIB. Por esta altura, a TFP (total factor produtivity – a parte do crescimento que não é explicada nem pela acumulação de capital, nem pelo aumento de mão-de-obra) estava já a divergir claramente do que acontecia no resto da Europa desenvolvida.

xxxxx

A partir daqui, vieram ao de cima duas debilidades estruturais da economia portuguesa, que a participação na união monetária não serviu para ultrapassar: falta de capital humano e más políticas públicas. A escassez de qualificações impediu Portugal de dar um salto na escala de valor, criando uma ‘armadilha’ de produtividade média. E a má qualidade das políticas públicas gerou incentivos perversos dentro da própria estrutura produtiva, levando a maior parte do investimento a concentrar-se no sector não transaccionável.

2

In contrast to Portugal, many other euro area countries managed to reap the full be3nefits of monetary integration and the technological advances. Ireland, for example, experienced a remarkable performance over the past two decades (Amador et al., 2007). Modern economic institutions and a highly educated and flexible workforce allowed the country to orient inflows toward the most promising activities and benefit from an acceleration of TFP.

Uma das implicações do estudo do FMI, por outro lado, é que há um grande potencial de crescimento por realizar, através de convergência de TFP e de aumento – que será necessariamente mais lento – do capital humano da economia portuguesa. Um cenário moderadamente optimista permite colocar a produtividade a crescer perto dos 3% ao ano, calcula o Fundo.

O segundo paper, acerca do desequilíbrio externo da última década, refere um ponto que está muitas vezes ausente da maior parte das análises – o fim das transferências dos emigrantes, que durante algumas décadas permitiu cobrir uma boa parte das necessidades de financiamento externas. De facto, e como o próprio Fundo nota, o saldo da Balança Comercial praticamente não se alterou com a adesão ao euro. O resto foi veio do boom de consumo e investimento que o fim do risco cambial proporcionaou.

O FMI avança também uma explicação para a aparente contradição entre um disparar do consumo e um desemprego crescente (que, de resto, é uma conjugação única na Europa: na restante periferia, como Irlanda e Espanha, os boom foram seguidos de reduções pronunciadas na taxa de desemprego). Segundo o Fundo, é aqui que entra a disfuncionalidade do sistema de protecção social português, cuja excessiva generosidade favoreceu a saída de um mercado de trabalho em reestruturação. A crise actual apanhou Portugal a meio de um doloroso choque de oferta, ao qual se sobrepôs um choque negativo de procura.

Quanto pagamos de juros à Troika

A questão dos juros pagos pelo Estado português à Troika tem alimentado debates praticamente desde o início do programa de ajustamento, em Maio de 2011. Mas esta overdose de debates não se tem traduzido num melhor esclarecimento da opinião pública. Não deixa de ser revelador que hoje, mais de um ano e meio após o pedido de ajuda, analistas e comentadores ainda discutam a razoabilidade destes juros sem referirem, sequer, os valores concretos que são cobrados à República. Este post fornece alguns dados.

Na verdade, não há uma taxa de juro: há pelo menos três; tantas quantas os organismos que garantem financiamento a Portugal: Fundo Monetário Internacional, Mecanismo Europeu de Estabilização Financeira (MEEF) e Fundo Europeu de Estabilidade Financeira (FEEF). Cada um destes três garante um terço dos 78 mil milhões de euros a que Portugal tem direito. Quais são as taxas aplicadas? É uma questão complexa.

  • FMI – Os empréstimos partem de uma taxa de juro básica, que é a taxa de juro dos SDR, a moeda ‘sintética’ do FMI. Na prática, esta taxa de juro é uma média ponderada das taxas de juro de instrumentos de dívida de curto prazo em euros, ienes, dólares e libras. Esta é uma taxa variável, que está portanto sujeita a risco de subida. A esta taxa de juro soma-se uma sobretaxa de 100 pontos base. Quando o volume total de recursos financeiros disponibilizados pelo Fundo exceder 300% da quota do país no FMI, é aplicada uma sobretaxa de 200 pontos base ao montante excedentário. Esta sobretaxa, por sua vez, sobe para 300 pontos base quando se verifica este excesso por mais de três anos.
  • MEEF – O veículo administrado pela União Europeia faz emissões de dívida nos mercados, através das quais é fixada a sua taxa de financiamento. A fórmula inicial estipulava que a esta taxa se somariam uma margem financeira de 215 pontos base mais o pagamento dos custos administrativos. A margem financeira foi entretanto abandonada, tendo Portugal de pagar apenas o custo de financiamento da UE mais os custos administrativos associados. Recorde-se que o custo efectivo para Portugal é fixo à partida (ao contrário do que acontece com o dinheiro do FMI), mas varia consoante o custo de financiamento que o MEEF tiver a cada momento.
  • FEEF – O Fundo Europeu da Zona Euro segue um mecanismo semelhante ao do MEEF. A grande diferença é que ao custo de financiamento acresciam, inicialmente, uma margem de 208 pontos base, os custos administrativos e uma comissão de serviço de 50 pontos base por cada empréstimo. Tal como aconteceu com o MEEF, a margem de 208 pontos base foi entretanto abandonada. Houve também outra alteração no cálculo do custo de financiamento: ao passo que inicialmente este custo era fixado com base nas emissões feitas pelo FEEF, agora a taxa relevante é a que o FEEF paga sobre todo o seu volume de dívida. A taxa é, portanto, variável como a do FMI (mais informação neste panfleto do Banco de Portugal ou neste post do Massa Monetária; ambas as informações já estão, contudo, um pouco desactualizadas, sobretudo no que diz respeito ao FEEF e MEEF)

Esclarecido?

Claro que não. Uma forma mais simples de avaliar a taxa de juro é simplesmente utilizar os valores efectivos de cada tranche. O quadro em baixo é retirado do boletim mensal do IGCP, o organismo que gere a dívida pública. Note-se duas coisas. Em primeiro lugar, que nem todos os empréstimos têm uma taxa de juro efectiva – no caso do FMI (e do FEEF, mais recentemente), a taxa é variável, e isso está devidamente assinalado. Em segundo lugar, que as taxas tendem a variar bastante consoante as maturidades. Há empréstimos a 26 anos com taxas de cupão de 3,38%, e há empréstimos a três anos com juros de 1,725%.

Sem título

Uma forma ainda mais simples de saber quanto Portugal vai pagar efectivamente pela ajuda financeira é tentar estimar o custo efectivo de todas as tranches, incluindo aquelas cuja taxa de juro é variável. O IGCP faz isso, utilizando para o efeito as previsões para evolução das taxas que estão implícitas no comportamento dos mercados financeiros (mais concretamente, olhando para as forward das taxas de juro). O resultado aparece no quadro seguinte.

2

Poderíamos ter chegado logo a este número desde o início, mas não teria sido tão divertido: 3,4% é o número mágico, portanto. Esta é a taxa de juro que Portugal paga pela dívida já contraída junto da Troika. A Europa cobra cerca de 3% e o FMI um valor a rondar os 4,1%.

É pouco? É muito? Para perceber isto, convém comparar esta taxa de juro com a taxa de juro a que Portugal habitualmente se financia (ou financiou, durante os últimos anos). O quadro seguinte apresenta a taxa de juro implícita da dívida pública em cada momento. Os valores são obtidos dividindo a despesa com juros pelo montante total de dívida pública. Apresenta-se também a taxa de juro implícita real (ou seja, deduzida da inflação) e a taxa de juro do empréstimo da Troika, em termos nominais e reais.

Sem título

A conclusão – surpreendente, para alguns – é que a taxa de juro aplicada pela Troika não apenas é mais baixa do que a taxa de juro aplicada à globalidade da dívida, como é a segunda taxa de juro mais baixa da história recente de Portugal. Desde 1996, só em 2011 a taxa de juro foi inferior aos 3,4% a que a Troika disponibiliza financiamento.

A taxa de juro nem é especialmente elevada tendo como comparação o resto da Europa. Em baixo, as taxas de juro implícitas na dívida pública de cada país. Assinalado a laranja claro está a taxa de juro a que a Troika tem concedido financiamento.

tttt

Mesmo estas duas imagens não traduzem de forma completamente fiel as condições de financiamento concedidas pela Troika. Isto porque a taxa de juro de 3,4% corresponde a um volume total de empréstimos que tem uma maturidade média de 11,3 anos, significativamente mais elevada do que a do conjunto da dívida (6,8 anos). Se as maturidades fossem iguais, o diferencial da taxa de juro acentuar-se-ia (ou seja: por comparação, as condições da Troika seriam ainda melhores).

As propostas de renegociação da taxa de juro da Troika, que são cada vez mais repetidas nos meios de comunicação social, têm de ser feitas tendo estes dados como enquadramento. Ou seja, com a consciência de que as condições actualmente concedidas já são, por qualquer padrão de comparação – seja o cenário internacional, seja a própria história recente da economia portuguesa – muito vantajosas.