Uma explicação trivial (mas palavrosa) para o maior crescimento económico do milénio

O crescimento do PIB de 2,8% – o ritmo mais alto do século, como as televisões não se cansam de repetir – deixou muita gente surpreendida, algumas pessoas radiantes e outras naturalmente desgostosas. A surpresa é justificada, porque nas análises que fui lendo nos últimos tempos não havia nada que sugerisse uma aceleração tão forte. Mas penso que a ‘explicação’ para este crescimento, se é que assim lhe podemos chamar, é mais prosaica do que se presume.

A situação, aliás, traz-me à memória uma rábula de 2013, quando o desemprego interrompeu inesperadamente a trajectória de subida e desatou a descer por ali abaixo. O choque entre as expectativas e a realidade criou uma dissonância cognitiva tão grande na altura que assistimos a um longo desfiar de teorias da conspiração para provar que o desemprego “real”, ao contrário do que se pensava, não só não estava a subir como tinha na verdade estabilizado em torno dos 25%. Assim de cabeça lembro-me dos: É tudo uma questão de sazonalidade, Os desempregados estão a voltar à agricultura de subsistência (ver aqui também), O desemprego desce mas é todo precário, O IEFP está a esconder os desempregados em acções de formação (e a queimá-los na área 51), É a emigração que fez desaparecer o desemprego (ver aqui também), É o Estado que está a contratar e É tudo isto e muito mais.

Mas a verdade é que os factos eram claros e a explicação simples. O desemprego estava a diminuir porque as recessões são cíclicas por natureza, e depois de atingir os 17% era difícil fazer outra coisa que não fosse descer. O facto de o ponto de partida ser tão alto, conjugado com uma quebra estrutural na relação entre PIB e emprego (ver aqui, aqui, aqui, aqui), justificava a descida sólida e consistente do desemprego. O desemprego caiu muito pela mesma razão que o crédito aumentou imenso: porque tudo o que sobe acaba por descer.

Com as devidas adaptações, julgo que o mesmo “fenómeno” pode explicar “o maior crescimento do século” do PIB. Vejamos porquê.

Antes de mais comecemos, por dividir o crescimento da actividade em dois componentes mutuamente exclusivos: a evolução do emprego – o número de pessoas que está a trabalhar – e a evolução da produtividade – a quantidade de bens e serviços que cada pessoa empregada consegue gerar. A imagem de baixo faz esta desagregação, indexando a 100 os valores de 2013 (quando a economia começou a recuperar). O método não é perfeito1, mas chega para ilustrar a ideia.

1

Separar os dois componentes permite desde logo retirar uma conclusão curiosa: a produtividade está mais ou menos estagnada desde a retoma de 2013. Na verdade, o trabalhador médio é hoje ligeiramente menos produtivo do que no ponto mais baixo da crise. Ouvimos falar imenso de “economia do conhecimento”, o “regresso dos licenciados”, “crescimento pela inovação”, “difusão de tecnologias”, “absorção de Investimento Estrangeiro” e por aí fora, mas os dados mais corriqueiros da produtividade mostram bem como, em termos de eficiência, não houve qualquer progresso nos últimos quatro anos2.

(Isto não é uma crítica a nenhum Governo em particular – até porque, a este respeito, a situação de 2016 para cá não se distingue da situação de 2013 a 2016. É só um exemplo simples de como 5 minutos no INE chegam e sobram para mostrar como horas e horas de debates televisivos acerca da Nova Economia podem ser pouco mais que bullshit).

Se o PIB cresceu nos últimos anos e a produtividade estagnou, isso significa que toda o crescimento resulta da expansão do emprego. Isso torna a coisa mais trivial, porque tira logo de cena toda aquela conversa interessante acerca dos “novos processos produtivos”, a “reorientação do tecido económico”, “subidas na cadeia de valor” e por aí fora. Mas também nos facilita imenso a vida: para explicar o crescimento do PIB, basta-nos explicar o crescimento do emprego.

Portanto, o que é que fez a criação de emprego acelerar tanto no final de 2016, ao ponto de chegar ao início de 2017 a produzir um resultado final daqueles?

A forma mais fácil de explicar a minha ideia é fazer rewind até Outubro de 2015 e contar uma pequena história a partir daí. Pouco depois de o novo Governo entrar em funções começaram a aparecer notícias aqui e ali de uma travagem súbita na tendência de descida do desemprego. Ao início ninguém reparou, mas lá para Fevereiro a coisa começava a tornar-se óbvia e a comunicação social pegou no tema (ver aqui, por exemplo).

Mas a degradação progressiva do mercado laboral era provavelmente apenas uma ilusão de óptica provocada por dois factores. Primeiro, a sazonalidade: entre Outubro e Fevereiro o emprego costuma cair, mesmo durante ‘bons’ ciclos económicos.  Segundo, o fim gradual de uma série de programas ocupacionais do IEFP, que tinham empolado a criação de emprego sobretudo durante 2013, que deixaram de ter efeito em 2014 e começaram a ter o efeito contrário a partir de 2015. A questão da sazonalidade foi abordada em Ziguezagues do desemprego: nova tendência ou nada de mais?, e a dos estágios do IEFP em Descida do desemprego: inversão de ciclo?, num post que concluía da seguinte forma:

Portanto, poucas novidades, aparentemente. Se a história se repetir, o emprego deverá crescer de forma robusta a partir de Março. Não há razões para complacência, mas também não há razões para alarmismo. Pelo menos, com estes dados.

Março chegou e o desemprego continuou a subir. Felizmente, pouco depois o INE veio corrigir os dados e dizer que afinal o desemprego começou mesmo a cair nesse mês, e o mercado de trabalho voltou a criar empregos. Quando era claro que a tendência era sólida, escrevi Desemprego: no meio do ruído há qualquer coisa a mexer, de onde o gráfico de baixo é retirado. Tinha mesmo sido falso alarme.

aa

Pouco depois fiz também algumas Comparações alternativas a mostrar como o efeito dos programas ocupacionais introduzia muito ruído na avaliação do mercado laboral, e a sugerir que a ideia de que a criação de emprego estava a abrandar podia facilmente ser invertida se esse factor fosse devidamente levado em conta. Na verdade, parecia acontecer exactamente o contrário.

Onde estou a tentar chegar? Simples. Se olharmos para números habituais do INE, veremos coisas estranhas a passar-se no mercado laboral: uma retoma forte em 2013 e 2014, seguida de um abrandamento súbito a partir de 2015, e uma completamente inexplicável aceleração a partir de meados de 2016. E enfim, isto de facto parece bizarro, uma coisa miraculosa a precisar de investigação aturada.

3

Mas se expurgarmos a questão dos programas ocupacionais, como eu tenho feito desde 2013, o perfil do emprego parece muito menos peculiar. O ritmo de criação de emprego revela um padrão de aceleração mais-ou-menos constante: as coisas melhoram em 2013, arrancam definitivamente em 2014, ganham alguma força em 2015 e atingem a velocidade máxima em 2016/17.

4

Voltando à questão de partida: por que é que a economia está a crescer quase 3% em termos homólogos? A resposta mais plausível é: bom, aparentemente é porque o ritmo de criação de emprego tem vindo a aumentar desde 2013, e agora está finalmente a atingir a velocidade cruzeiro – mas algumas idiossincrasias da economia portuguesa impediram-nos de ver esta tendência através dos vidros baços do Inquérito ao Emprego.

Claro que aqui podemos dar um passo atrás, ser chatos e perguntar: mas então e por que é que o ritmo de criação de emprego está a acelerar?

Não sei. Mas não estranharia nada que este fosse o perfil habitual de recuperação do mercado laboral após grandes choques: um crescimento tímido do emprego no início, que começa gradualmente a ganhar solidez até atingir o pico de velocidade. Apesar de o perfil implícito na maioria dos modelos de previsão parecer um pouco diferente – FMI e Comissão Europeia, por exemplo, antecipam sempre retomas sólidas no início, que se desvanecem com o passar do tempo -, é possível que este perfil de recuperação resulte mais de priors dos economistas do que propriamente de análise empírica.

(Se alguém tiver tempo e vontade, pode começar por olhar para o que aconteceu em Portugal nas últimas recessões: estou seguro que hão-de encontrar coisas interessantes).

Este post está longo, mas queria dar apenas mais um nó numa ponta solta que vi ser muito debatida ao longo desta semana: quão sustentáveis são afinal estes números?

Como vimos no início, o contributo da produtividade para este crescimento é virtualmente nulo, por isso tudo se resume a saber se este ritmo de criação de emprego pode ser mantido. A curto e médio prazo, a resposta sensata é: não sabemos. Tudo depende dos factores – internos e externos (como estes) que condicionam a necessidade das empresas de contratar mais ou menos trabalhadores. Não faço ideia de como evoluir estas condições, mas parece-me que não há razões a priori para se antecipar uma grande travagem (ou, em sentido contrário, uma grande aceleração).

Mas, no longo prazo, é óbvio que os números desta ordem não serão mantidos. Por uma razão simples: o que está a acontecer desde 2013 é uma recuperação cíclica – as pessoas que perderam os seus empregos estão agora a fazer o percurso inverso, passando do desemprego para o emprego. E há um limite até onde este processo pode ser levado, que é determinado (surpresa!) pelo número de desempregados.

Assim que o desemprego voltar ao seu nível normal3, a margem de progressão por esta via esgota-se, e o crescimento do PIB volta novamente a ser ditado pelas forças demográficas e pelo crescimento da produtividade. O primeiro será seguramente negativo, e o segundo não tem sido nada famoso (embora seja quase impossível prever o comportamento futuro desta variável).

No futuro, talvez tenhamos assim de nos contentar com um crescimento de 1%.  Mas, por agora, ainda podemos apreciar os frutos do fecho do output gap. E claro, o tetracampeonato do Benfica.

1 O conceito de emprego relevante aqui é o Emprego em Contas Nacionais (ECN), que ainda não está disponível. Eu usei este conceito até ao 4º trimestre de 2016, e recorri ao Inquérito ao Emprego para ter uma ideia de como terá evoluído o ECN no início de 2017.
2 Pode haver efeitos composicionais importantes nesta equação. Se a criação de emprego for feita em segmentos de baixa produtividade, a alteração do mix de empregos pode reduzir estatisticamente a produtividade média medida no conjunto da economia, apesar de haver crescimento da produtividade em cada sector individual. Mas só é possível tirar a prova dos nove com dados longitudinais.
3 Embora saber ao certo qual é o nível “normal” de desemprego seja um enorme berbicacho. A Comissão Europeia julga que a NAIRU anda à volta dos 9%, o que me parece um valor absurdo. O Banco de Portugal parece acreditar em valores bem mais baixos, na casa dos 7%. Eu não ficaria surpreendido com uma NAIRU ainda mais baixa do que isso.
Anúncios

2 comments on “Uma explicação trivial (mas palavrosa) para o maior crescimento económico do milénio

  1. Não acho que se possa ler muito de um trimestre apenas, mas a minha hipótese inicial é que uma das causas de haver um bom resultado neste trimestre é ter havido um mau resultado no primeiro trimestre de 2016. Será interessante verificar, à medida que o ano progride, se os trimestres mais fracos de 2017 coincidem com os trimestres mais fortes de 2016 e vice-versa.

    Por outro lado, a economia europeia também está com boas perspectivas e, apesar de Portugal ter tido um desempenho bastante bom este trimestre, foi apenas o sexto melhor da UE e prevê-se que, à medida que os dados de outros países fiquem disponíveis, desça no ranking. Parece-me que a maré está a melhorar para todos.

    O que me preocupa em Portugal são dois pontos: os bancos continuam a dar preferência em conceder crédito às famílias, em detrimento das empresas, sendo que Portugal é um dos países em que maior percentagem de famílias tem casa própria; e, quando os números são bons e antes de se provar serem sustentáveis, o governo adopta uma política redistributiva pró-cíclica.

    Liked by 1 person

    • Eu também acho que não se pode ler muita coisa num único trimestre. Por isso é que a conclusão final é sustentará numa série de 17 trimestres 🙂 Quanto à recuperação europeia, repara que a explicação não é contraditória com a minha. Basta que o crescimento da economia europeia tenha vindo a acelerar de 2013 para cá para se tornar complementar. Repara que neste post eu não tento “explicar o crescimento”. Tento apenas mostrar que o crescimento do último trimestre é muito menos “peculiar” do que parece à primeira vista.

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s