O país com a maior dívida externa do mundo

Bom, na verdade não tenho a certeza de que seja mesmo o campeão da dívida externa. Há por aí umas largas dezenas de países sem dados actualizados relativos à Balança de Pagamentos, e outros tantos que não os reportaram ao FMI/Banco Mundial. Mas, se não ocupar a primeira posição, então de certeza que anda lá perto. Três pistas para quem gosta de adivinhas: é pequeno, é europeu e é um dos maiores exportadores da Zona Euro.

Ah, e entre activos menos passivos tem uma posição líquida negativa de 175% do respectivo PIB.

aaa.png

Já adivinharam? De certeza que não. A economia que aparece no gráfico de cima é nada mais, nada menos, do que a Irlanda.

E é um pouco estranho (para dizer o mínimo) que a Irlanda esteja a acumular dívida a esta velocidade – ou, tecnicamente falando, que esteja acumular uma posição-líquida-de-activos-sobre-o-exterior tão negativa. Afinal de contas, de 2008 para cá o défice externo da Irlanda passou de 6% do PIB para números suficientemente modestos para se diluírem no crescimento nominal da economia. Isto já para não falar nos enormes excedentes de 2015 e 2016, que culminaram com um saldo externo de 10% do PIB (mind note para os mais distraídos: estes números podem não ser de fiar).

11

Só reparei nesta pequena aberração quando comecei a compilar dados para um projecto em que estou a trabalhar. Mas a pergunta devia interessar a todos os que lidam com estatísticas económicas: afinal o que se passa aqui?

A minha suspeita é que esta aberração resulta da forma muito particular como as estatísticas da Balança de Pagamentos avaliam a ‘dívida externa’, que fazem com que algumas coisas ‘boas’ pareçam ‘más’, e algumas coisas ‘más’ pareçam ‘boas’. Por exemplo, em 2014 e 2015 as yields das obrigações públicas irlandesas caíram bastante, o que aumentou o seu preço – mas, sendo as obrigações detidas por residentes no estrangeiro, isto faz com que o montante nominal de ‘dívida externa’ aumente.

Já vimos isso acontecer em Portugal. Mas, no caso irlandês, há pelo menos um problema adicional: a enorme importância do Investimento Directo Estrangeiro. A entrada de IDE – que tem sido intensa nos últimos anos – é contabilizada como uma responsabilidade da Irlanda perante as unidades não residentes, o que valoriza o lado do passivo da Posição de Investimento Internacional (PII) e assim degrada o seu saldo líquido.

E de certeza que há por aí mais uns statistical quirks que eu desconheço a explicar aquela imagem tão estranha. Mas isto, só por si, já devia chegar para termos mais algum cuidado quando avaliamos a posição financeira de um país através da PII – algo que se tornou prática comum, até na monitorização de desequilíbrios financeiros à escala europeia. De futuro, talvez seja recomendável complementarmos a análise da PII com o saldo acumulado dos défices externos. Na maioria das economias a diferença não é grande, mas no caso da Irlanda esta abordagem pode ajudar a limpar algum ruído.

Sem Título.png

 

Advertisements

3 comments on “O país com a maior dívida externa do mundo

  1. Muito estranho! Embora eu seja contra esse tipo de divida publica, creio que a maior divida seria a dos Estados Unidos, que por sua vez tem uma administraçao mais facil por ser de juros mais baixos…

    Gostar

  2. Uma coisa que há muito tenho pensando (e até tenho pensado em fazer um post sobre isso) é porque é que “endividamento externo” soa como “mau” e “investimento estrangeiro” como “bom”, quando em termos económicos são quase a mesma coisa.

    Gostar

    • É verdade. Até já estive para escrever algo em torno disso.

      Em todo o caso, pode haver uma subtileza nesta história. Se uma empresa acreditar no potencial da economia portuguesa e comprar uma posição cá dentro, via IDE, isto aumenta o investimento directo mas não afecta a Posição de Investimento Internacional: por cada euro adicional de IDE como passivo há um euro adicional de depósitos [o dinheiro com que o estrangeiro comprou as acções] como activo.

      Isto é uma situação diferente em que a economia começa por ter um défice na balança de transacções correntes que é FINANCIADO através de IDE. Neste caso, o IDE degrada a Posição de Investimento Internacional: há um bem ou serviço externo a entrar em Portugal, que é ‘pago’ com a venda de uma acção ao estrangeiro.

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s