Algo nunca antes conseguido em democracia

Ainda a propósito dos saldos primários exigidos para que se consiga reduzir a dívida pública, vale a pena relembrar outra exigência europeia que, até há bem pouco tempo, também nunca tinha sido cumprida de forma recorrente em democracia.

Invocar a inflação não é completamente despropositado. Uma inflação baixa, tal como um saldo primário equilibrado, tem vantagens óbvias do ponto de vista macroeconómico. Mas os custos de transição são consideráveis, o que tende a gerar incentivos perversos aos decisores políticos. Mesmo que os ganhos de longo prazo superem largamente os custos de curto prazo associados à desinflação, basta que a avaliação das escolhas seja feita num horizonte relativamente curto para que os policymakers se sintam tentados a perpetuar o status quo. O resultado é uma inflação cronicamente elevada.

Inflação

Quem olhasse para a Europa do Sul na década de 90 e avaliasse a possibilidade de se atingir uma inflação na casa dos 2% com base na experiência passada não teria razões para optimismo: em quatro países e 35 anos, só havia meia dúzia de casos em que essa condição se tivesse verificado. Mas, como era óbvio, a razão pela qual isso nunca se tinha verificado tinha muito mais a ver com constrangimentos políticos do que com limitações económicas. Assim que os benefícios de curto prazo de redução da inflação se tornaram mais palpáveis, a evolução dos preços rapidamente convergiu para valores “nunca antes vistos”.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s