Uma explicação pouco excitante para a descida do desemprego

O post anterior, acerca da misteriosa descida da taxa de desemprego, suscitou vários comentários e algumas críticas. A mais frequente é que terei desprezado a explicação mais óbvia: a entrada de muitos desempregados em regimes de agricultura de subsistência, impelida, naturalmente, pela falta de expectativas de emprego na indústria e nos serviços. Neste post tento mostrar que essa ideia não bate certo com os dados disponíveis e avanço uma explicação mais plausível (se bem que menos palpitante) para os dados do INE.

Comecemos pelo início. O que é surpreendente não é que a taxa de desemprego esteja, neste momento, nos 16,4%. O que é de facto surpreendente é que ela tenha descido tanto num único trimestre. A imagem de baixo põe isto em evidência, comparando não apenas a evolução da taxa de desemprego mas também a variação da taxa de desemprego – isto é, o crescimento ou redução da taxa, como percentagem da taxa do trimestre anterior.

1

Não há margem para dúvidas:  a diminuição da taxa de desemprego (-7,1%) é impressionante. Seria impressionante mesmo em tempos ‘normais’, e é mais notável ainda por acontecer num período de debilidade económica.

O INE diz-nos que o sector primário representa cerca de dois terços do emprego líquido gerado no segundo trimestre. É possível que esteja a ocorrer uma migração silenciosa para a agricultura de subsistência? Sem dúvida – e certamente que a ‘lavoura familiar’ poderá servir, em determinados períodos, como amortecedor de choques no mercado laboral.

O que não parece plausível é que esta migração se tenha processado subitamente no segundo trimestre de 2013, depois de mais de dois anos de recessão profunda. A aceitação de novos empregos exige um período de requalificação habitualmente demorado ou, alternativamente, uma mudança acentuada de expectativas em relação a um determinado segmento laboral. Ambas são lentas e morosas, ao passo que o que aconteceu no segundo trimestre foi súbito e inesperado. Em suma: qualquer explicação satisfatória para a descida do desemprego que invoque alguma forma de tensões latentes ou factores estruturais tem de explicar por que é que essas tensões se acumularam durante dois anos de recessão e apenas se libertaram, com estrondo, em meados de 2013.

Mas há uma explicação mais simples para a descida do desemprego, e que só me ocorreu depois de ter olhado com mais atenção para o emprego por actividade. Veja-se o perfil do emprego dos sectores secundário e terciário (a que chamei, por economia de espaço, “emprego não agrícola”). Encurtei a barra temporal para facilitar a análise, mas esta não é significativamente afectada por esta opção.

2

O facto mais importante a salientar é que o facto de se expurgar o sector primário das contas do mercado laboral torna o comportamento deste último muito mais razoável. O emprego cai de forma persistente durante a recessão (muito embora haja alguns ‘oásis’ de criação de emprego, sempre nos segundos trimestres) e começa a crescer em meados de 2013. Sendo um crescimento assinalável, ele não é particularmente impressionante tendo em conta a experiência histórica. É uma retoma ‘quase natural’ depois de um período de destruição intensa de postos de trabalho.

A situação é consideravelmente diferente na agricultura e pescas. A questão não é apenas que o emprego cresceu imenso no último trimestre, mas sim que o comportamento do emprego parece ter-se tornado mais errático pelo menos desde 2012. Nos dois primeiros trimestres desse ano, o número de postos de trabalho cresceu a um ritmo recorde, movimento que foi invertido no último trimestre de 2012 e no primeiro de 2013. Uma nota reveladora: mesmo depois do crescimento de 10% relatado anteontem pelo INE, o volume de emprego continua 4% abaixo do pico atingido em meados de 2012.

3

As duas imagens, em conjunto, não sugerem assim que esteja a acontecer uma “fuga para o campo” como resultado da precarização da situação na indústria e nos serviços. Em primeiro lugar, porque a explosão do emprego no sector primário dá-se precisamente no primeiro trimestre em que o emprego fora desse sector está a crescer; em segundo, porque o crescimento do emprego ‘primário’ contrasta com quedas acentuadas em períodos anteriores. Este ‘ziguezague’ crescente dificilmente pode ser atribuído a alterações na percepção subjectiva que os desempregados têm da atractividade de empregos na agricultura.

O que a justaposição dos gráficos põe em evidência é outra coisa: que o ‘factor agrícola’ está a tornar-se um elemento de volatilidade crescente no mercado de trabalho. E isto permite explicar, ainda que parcialmente, por que é que o desemprego caiu tanto no segundo trimestre. O desemprego caiu muito porque a agricultura o empurrou para cima entre Janeiro e Março e o arrastou para baixo entre Abril e Julho.

O gráfico de baixo compara a variação trimestral do desemprego para o conjunto da economia e para o mesmo conjunto sem sector primário. As barras claras mostram a diferença entre ambos, e como se vê essa diferença tem vindo a aumentar em ambos os sentidos. Ou seja: o desemprego agrícola está a ‘impulsionar’ (em vez de amortecer) o desemprego não agrícola. O efeito final é um extremar das oscilações do emprego, empolando a intensidade dos ‘pontos de viragem’.

4

A explicação “foi a agricultura que criou emprego” é, portanto, enganadora; porque omite pelo menos metade da resposta: o desemprego do período anterior estava também ‘empolado’ pelos recentes zieguezagues do Sector Primário. Quando se tira este ruído da equação, tudo parece mais simples: há uma recuperação do emprego, modesta mas expectável (ou pelo menos compreensível), tendo em conta que a economia está já a crescer.

A volatilidade do emprego agrícola, por sua vez, é um fenómeno difícil de justificar, e cuja análise deixo para quem tiver mais conhecimentos da matéria do que eu. É possível que o clima tenha alguma coisa a ver – o Banco de Portugal, por exemplo, referiu no último Boletim trimestral (página 10) que “condições meteorológicas excepcionalmente adversas” têm tido um impacto significativo na economia, mas ignoro a relevância dessas condições para a agricultura e pescas (além do mais, a invocação de factores atmosféricos para explicar fenómenos económicos tem sido, de forma algo estranha, considerada matéria de anedotário nacional).

Advertisements

One comment on “Uma explicação pouco excitante para a descida do desemprego

  1. Joao diz:

    Parece-me uma explicacao interessante, mas ha um dado muito positivo que nao tenho visto realcado e que nao se enquadra na sua ideia. E que as ofertas de emprego registadas nos Centros de Emprego estao a crescer de forma muito rapida desde o inicio do ano. Em termos homologos aumentaram 62% em Julho, o que contraria a ideia da sazonalidade. E aumentaram tambem nos sectores nao agricolas (47% nos servicos e 70% na industria).
    Ver paginas 3 e 11 do relatorio do IEFP:
    http://www.iefp.pt/estatisticas/MercadoEmprego/InformacaoMensal/Documents/2013/Inf_Mensal_JULHO_2013.pdf

    As ofertas de emprego sao um bom indicador avancado para a evolucao do desemprego (como mostra por exemplo a evolucao recente da curva de Beveridge nos EUA). O que nao so explica os numeros do desemprego no segundo trimestre como e razao para algum optimismo em relacao ao futuro.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s